Turgalicia Turismo de Galicia

Xunta de Galicia
Início > Viva estas… experiências > Rota da camélia > Experiencias > Acrescentar a "A Minha viagem"
Ria de Arousa

RÍAS E PRAIAS

Ria de Arousa

É a mais extensa das rias da Galiza. Por toda a ria, praias e mais praias…

Ria de Pontevedra

Ria de Pontevedra

Tem tudo: o clima, as praias, o mar, a paisagem, o património artístico, o ambiente…

Rota do vinho Rias Baixas

EXPERIÊNCIA

Rota do vinho Rias Baixas

Conta a tradição que o cultivo do vinhedo nas Rias Baixas se deve aos monges do mosteiro cisterciense de Armenteira (Meis)...

Pontevedra

Pontevedra

Tem tanto para ver: arquitetura, alamedas, passeios pelo rio, praças cheias de vida...

Rota da Camélia

Camélias e adegas

Esta experiência conjuga a visita a alguns dos mais belos jardins palacianos e senhoriais da Galiza com um percurso pelos vinhedos e pelas adegas com Denominação de Origem. Nesta viagem, o vinho acompanha os excelentes peixes e mariscos das rias galegas.

Isto interessa-lhe!

  • Ponto de início: Cambados
  • Ponto final: Soutomaior
  • Jornadas: 4
Esta experiência conjuga a visita a alguns dos mais belos jardins palacianos e senhoriais da Galiza com um percurso pelos vinhedos e pelas adegas com Denominação de Origem. Nesta viagem, o vinho acompanha os excelentes peixes e mariscos das rias galegas.

Sugerimos-vos que vivam uma experiência enoturística combinada com a visita aos melhores jardins palacianos e senhoriais da Galiza. Nestes espaços, a flor da camélia brilha com luz própria. E é acompanhada por outras espécies, autóctones e exóticas, de alto valor botânico e estético, cuidadas com mimo e esmero. Ao avançarmos, também nos veremos rodeados por hortas, pomares e vinhas, de cujas uvas saem os excelentes vinhos das denominações de origem galegas.

Mais informação...
- Paço de Bazán. Telefone: 986 542 250
- Museu Etnográfico e do Vinho. Telefone: 986 526 119
- Adegas do Palácio de Fefiñanes. www.fefinanes.com
- Paço de Rubiáns. www.pazoderubianes.com
- Paço Quinteiro da Cruz. www.pazoquinteirodacruz.es
- Quinta d’ASaleta. Telefone: 986 872 323
Castelo de Soutomaiorwww.hotelpousadadelcastillo.com 
 

 

Percurso – 1º dia

Em Cambados, o berço do albariño

 

Ampliar

Cambados, vila senhorial e marinheira, está situada na comarca pontevedrina d’O Salnés, nas Rias Baixas. É um excelente ponto de partida para esta aventura que combina vinhas e jardim. Será muito fácil chegar até aqui graças à proximidade da Autoestrada do Atlântico (AP-9) e de outras importantes vias de comunicação.

Recomendamos-vos que cheguem logo no início da tarde, com tempo para se instalarem no hotel e começarem a descobrir os inúmeros encantos da zona. A proposta de alojamento inclui paços, casas rurais e senhoriais e também adegas que oferecem hospedagem. A insígnia hoteleira é o magnífico Paço de Bazán, edifício do século XVII, convertido hoje em pousada de turismo, onde no devido momento se alojou o General De Gaulle. 
O paço goza de uma localização cêntrica, diante da Alameda da Calzada, onde os choupos e álamos dão sombra aos visitantes durante a  “Festa do Vinho Albariño”, que é celebrada na primeira semana de agosto e foi declarada de Interesse Turístico Nacional. Se fizerem coincidir a visita com este evento, verão o local transformado numa confusão de gente entregue à boa comida, bebida e cavaqueira nos stands instalados pelos adegueiros. Durante esses dias, oferecem os seus melhores albariños a preços populares, que podem ser acompanhados pelos excelentes mariscos da ria.

Os segredos do vinho d’O Salnés

Propomos-vos que comecem a tarde no Museu Etnográfico e do Vinho, um dos primeiros de temática vitícola fundado em Espanha. Começando na Alameda da Calzada, percorremos um lanço da Avenida de Vilariño até ao cruzamento com a Rua de San Francisco, que seguimos até onde se cruza com a Avenida da Pastora, por onde subimos até chegarmos ao museu. Está instalado numa antiga casa reitoral do século XVI, chamada Casa de Ricoy e identificá-lo-emos pelo seu grande letreiro na fachada. No seu interior, descobrimos os segredos do vinho d’O Salnés e da Denominação de Origem Rias Baixas.

As ruínas de Santa Mariña Dozo

A poucos passos, encontram-se as ruínas de Santa Mariña Dozo, declaradas Monumento Nacional, as quais albergam um cemitério, descrito por Álvaro Cunqueiro como “o mais melancólico campo-santo”. Quando atravessarem a cancela que dá passagem para o resto desta igreja, representativa do estilo gótico marinheiro, compreenderão porque é que a sua visita é imprescindível. Os restos que se conservam dos muros de pedra ainda sustêm uns arcos, nus, voltados para o céu, mas ricamente ornamentados com adornos de bolas. No solo, inúmeras lápides com cruzes, esculturas e flores decorativas partilham o espaço, ao lado da rebelde vegetação arbustiva que cresce entre as pedras.
As hipóteses que falam da destruição parcial da igreja no século XIX apontam para um incêndio, fortuito ou provocado, devido aos enfrentamentos ou às contínuas revoltas da época. A sensação de melancolia e romanticismo que este local pode inspirar multiplica-se nos dias nublados ou, se forem soalheiros, na hora em que o sol se põe no Atlântico desde o Monte da Pastora. Nesse momento, este cenário presta-se a belos jogos de luzes entre os arcos e, portanto, será uma boa oportunidade para captar umas belas imagens.

Ao vinho pelo bairro de Fefiñáns

Uma vez concluída a visita, de certeza que já será uma hora apetecível para a degustação dos vinhos albariños d’O Salnés. Sugerimos-vos que voltem ao centro de Cambados e que se adentrem no aristocrático bairro de Fefiñáns até chegar à praça com o mesmo nome. Esta formidável explanada de pedra está rodeada por um conjunto artístico erguido no século XVI e declarado Bem de Interesse Cultural. Dele fazem parte a igreja de São Bento, uma atalaia-miradouro chamada Torre da Homenagem, um belo arco-ponte de características barrocas e o portentoso Paço de Fefiñáns, ladeado por duas curiosas varandas circulares à maneira de púlpitos.

Uma visita às adegas de Fefiñáns

O interior do Paço de Fefiñáns alberga desde 1904 a adega mais antiga do sítio. As adegas do Palácio de Fefiñanes produzem três tipos diferentes de albariño e bagaços. Se programarmos com antecedência, podemos percorrer as suas diversas salas de fermentação, envelhecimento e engarrafamento e ver o processo de produção in loco, acompanhados pelo pessoal da adega que nos guiará para nos explicar passo a passo a elaboração dos seus vinhos, que poderemos degustar. Numas instalações com tanta tradição vemos como é que convivem as modernas tecnologias produtivas em harmonia com o envelhecimento do vinho em cascos de carvalho, guardados num ambiente dominado pela pedra e pela madeira.

O vinhedo, o jardim e o bosque “mágico” do Paço de Fefiñáns

Outra atração intramuros do paço é o vinhedo histórico, cuja visita é organizada pela Adega Gil Armada. É possível passear pela plantação guiados por uma enóloga que nos explicará as qualidades particulares desta uva, o seu cultivo, clima e solo. Depois, acompanhar-nos-á na prova final para nos ajudar a identificar aromas que lembram o limão, a erva molhada, a rosa silvestre ou fruta tropical. Uma completa sinfonia de cheiros e sabores que podem sair do nosso copo.
No fim das hortas, onde estes antigos vinhedos se conservam, está o bosque “mágico”. O nome é merecido, dado que aparece de surpresa depois de atravessar um corredor de videiras em parreiral. Como que por magia, encontramo-nos dentro de uma impressionante abóbada de buxo, rodeada por espécies autóctones como carvalhos e castanheiros centenares. Também percorremos o jardim que, consoante a época, se deixa invadir por diferentes cores e cheiros, graças às rosas, às peónias, aos lilases, ao heliotrópio, ao philadelphus ou ao muguet, entre outras.

O interior do paço

A própria adega também organiza a visita aos aposentos do paço, cuja decoração reflete os gostos requintados de uma fidalguia assente em vilas e cidades, mais afastada do universo cultural camponês. De certeza que ficarão surpreendidos com determinados elementos, tais como o papel pintado de um dos salões, inspirado em motivos orientais. Foi um capricho exótico trazido pelo primeiro marquês de Figueroa da Rússia, onde exerceu como embaixador no início do século XIX.

Peixe, marisco e albariño

Quando nos despedirmos das adegas e dos seus diversos espaços, já será hora de jantar. Peixes e mariscos destas rias preparados na grelha ou com molhos e guarnições mais ou menos sofisticados, inclusivamente à base de albariño, reinam nos menus dos restaurantes e locais de petiscos das ruas confinantes com a Praça de Fefiñáns.
 
Partilhe-me em...

A minha viagem

A miña viaxe

Preparando a viagem...

Armazene toda a informação necessária para organizar a sua viagem: museus, monumentos, locais de interesse, alojamentos, restaurantes...

Depois de o fazer, poderá ver o plano do seu itinerário, guardar informação em PDF ou exportar as suas localizações em GPS

Durante a viagem...

Já está a usufruir da Galiza. Aqui poderá consultar o plano da sua rota, guardar informação em PDF ou exportar as suas localizações em GPS. Se dispuser de um telemóvel com GPS, poderá ver a sua localização no mapa.

Despois da viagem

Agora que regressou, poderá anotar o que lhe pareceu aquilo que visitou e, também, marcar aquilo que não pôde ver, para não se esquecer da próxima!

Entrar
Xunta de Galicia Turismo de Galicia

© 2013 Turismo de Galicia | Todos os direitos reservados
Política de privacidade | Contacto | Accesibilidade

Acima