Bono IacobusO Caminho do Norte é talvez a rota mais histórica de todas, a primeira que os peregrinos de todo o cristianismo europeu da época seguiram para chegar a Santiago de Compostela. A origem da peregrinação a Santiago pela rota da costa cantábrica remonta ao período imediatamente posterior à descoberta do túmulo daquele que dizem ser o apóstolo Santiago o Maior (séc. IX).

O domínio da quase totalidade da Península Ibérica por parte dos muçulmanos deixa os reinos cristãos isolados nas zonas mais a norte do país. Os caminhos do antigo Reino das Astúrias foram os primeiros a dirigir os peregrinos devotos para Santiago.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Foi assim que esta via se constituiu como uma rota medieval, originando uma corrente jacobeia internacional dirigida aos santuários de Oviedo e Santiago de Compostela. Estes peregrinos vinham de França por terra ou por mar, entrando nos portos bascos e cântabros, provenientes de lugares como a Inglaterra, a Flandres, a Alemanha e a Escandinávia.

O itinerário da costa conheceu uma vitalidade semelhante à dos restantes caminhos jacobeus "primitivos", antes dos monarcas hispânicos terem potenciado o Caminho Francês como um itinerário privilegiado nos séculos XI e XII, atravessando os reinos cristãos do norte da Península.

Dia 1

Ribadeo / Vilanova de Lourenzá - Etapa 1 (28 km)

Abandonamos Ribadeo passando em frente ao campo de futebol, frente ao qual se encontra precisamente o símbolo jacobeu, prosseguindo o caminho na direcção do cemitério. Depois de um percurso de aproximadamente 9 km, quase sempre a subir, chegamos a Vilela. Passando esta aldeia, seguimos um trajecto relativamente plano que nos conduz até O Esfolado, onde se inicia a subida que nos levará até Vilamartín.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Uma descida de três longos quilómetros aproxima-nos de Gondán e, por caminhos muito bem sinalizados, primeiro a subir e depois a descer, passando por O Corveiro entra-se em Vilanova de Lourenzá, povoação formada à volta do mosteiro beneditino fundado no séc. X.

A Casa de Mañas
Lourenzá / Etapa 1

A Casa de Mañas O estabelecimento data do século XIX e foi reabilitado para uso turístico, sem maiores pretensões do que agradar aos clientes. Com uma ampla quinta, por onde corre um regato, que também inclui um moinho que hipnotiza o visitante na sua passagem por ali. Se estiver cansado, pode deixar as visitas para outra altura, visto ter a cidade monumental de Mondoñedo ao alcance, e gozar do estabelecimento num ambiente rural com todas as comodidades da cidade.

Dia 2

Vilanova de Lourenzá / Martiñán - Etapa 2 (33.8 km)

O caminhante já se encontra a bastantes quilómetros da costa, numa zona mais montanhosa, e prossegue agora o seu caminho para o sul, em direcção ao interior da Galiza. A localização geográfica faz com que a densidade populacional seja consideravelmente menor, aumentando as distâncias entre as localidades.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Saindo de Lourenzá dirigimo-nos a San Pedro da Torre, passando a seguir por um novo desnível antes de entrar na cidade de Mondoñedo, capital de uma das antigas sete províncias do Reino da Galiza, que pela sua história e monumentalidade merece uma visita sossegada.

A partir daqui, Lousada é praticamente a única aldeia que encontraremos, e que alcançamos após uma subida que nos leva directamente até ela. Após empreendermos uma esforçada subida até ao cimo do monte, inicia-se uma agradável descida em direcção a Gontán, que é a ante-sala de Abadín.

A partir de Abadín, o caminho entra na Terra Chá através do município de Vilalba. Ao longo do trajecto podemos desfrutar de uma bonita e agradável paisagem rural e ganadeira, atravessando a paróquia de Castromaior para chegarmos no final da etapa à localidade de Martiñán.

Casa Grande de Anllo
Cospeito / Etapa 2

A Casa Grande do Anllo Casa Grande de Anllo, conhecida também como a “Casa do Secretário” ou a “Casa da Escola” foi construida no ano 1885, e reabilitada para o turismo no espaço rural  e abrindo as suas portas em outono de 2007. A habitação conserva todos os elementos típicos da comarca da “Terra Chá”, como são o forno de lenha, a lareira e a cozinha central. A estrutura é de alvenaria de pedra e granito, com través e portões de madeira que acabam no chão com tarima de madeira nobre.

O edificio principal, de dois andares, encerra um grande pátio com o chão de pedra de cantaría que faz de distribuidor; no rez-do-chão estão os espaços comuns e no primeiro andar os quartos e uma ampla e galeria orientada para o sol. Os prédios estão inseridos numa envolvente de um grande terreno que chega até o rio Támoga.

Dia 3

Martiñán / Ponte de San Alberte - Etapa 3 (33.4 km)

A rota continua até Santiago de Goiriz com inúmeras amostras de arquitectura popular, como o cemitério neogótico da povoação. Segue-se por uma região praticamente plana até entrar em Vilalba, coração de A Terra Chá, célebre pela sua gastronomia (capões e queijo de San Simón) e encruzilhada de caminhos defendida pela fortaleza dos Andrade. Do seu conjunto defensivo do séc. XV subsiste a poderosa torre, hoje transformada em Parador Nacional de Turismo.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Abandonamos a localidade de Vilalba pelo passeio fluvial do rio Magdalena. Continuamos por Ferreira até chegarmos a Baamonde, onde se destaca a igreja paroquial de estilo românico, construída em honra do Apóstolo Santiago; o conjunto é completado por três cruzeiros do século XVIII e por um curioso castanheiro centenário. Seguindo o rio Parga chegamos à capela gótica de San Alberte e à ponte da época baixa mediaval com o mesmo nome.

Hotel Bi-Terra
Friol / Etapa 1

Hotel Bi-Terra Existem duas formas de desfrutar de Bi-Terra, um espaço aberto em 2008: descansando numa casa com mais de 200 anos de antiguidade, remodelada com toques rústicos, de aspecto moderno e espaços únicos, ou saboreando deliciosas receitas de cozinha verdadeiramente caseira no restaurante (mistura acertada da cozinha galega e basca), preparadas com muito esmero.

Dia 4

Ponte San Alberte / Marco das Pías - Etapa 4 (28.6 km)

O caminho prossegue por Santa Leocadia de Parga até chegar a San Paio de Seixón, onde se pode admirar uma igreja românica que conserva ainda o seu pórtico com arquivoltas original.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

A rota continua por uma ligeira descida alcançando Miraz, já no município de Friol, localidade onde ainda se ergue uma torre ameada de planta quadrada do séc. XV pertencente à antiga torre dos Saavedra. Na proximidade desta encontra-se a torre de San Paio de Narla que alberga actualmente a secção de etnografia do Museu Provincial de Lugo. Prosseguimos por uma suave subida até chegarmos a Marco das Pías, que assinala o limite da província de Lugo.

Hotel Bi-Terra
Friol / Etapa 4

Hotel Bi-Terra Existem duas formas de desfrutar de Bi-Terra, um espaço aberto em 2008: descansando numa casa com mais de 200 anos de antiguidade, remodelada com toques rústicos, de aspecto moderno e espaços únicos, ou saboreando deliciosas receitas de uma cozinha verdadeiramente caseira no restaurante (mistura acertada da cozinha galega e basca), preparadas com muito esmero.

Día 5

Marco das Pías / Casaldoeiro - Etapa 5 (27.3 Km)

O trajecto prossegue até chegarmos à lagoa de Sobrado, ante-sala de Sobrado dos Monxes, povoação que alberga um dos mosteiros mais emblemáticos da Galiza. A partir daqui, a rota continua na direcção de Castro, descendo no sentido de Corredoiras e Gándara, capital do município de Boimorto. A etapa termina nos arredores de Arzúa, mais concretamente na localidade de Casaldoeiro.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Casa da Igrexa
Arzúa / Etapa 5

Casa da IgrexaEdifício construído no século passado, trata-se de um alojamento rural nas margens do lago de Portomouros, em Arzúa. Encontra-se num ambiente com várias explorações agrícolas e uma paisagem difícil de esquecer. Dispõe de uma comodidade necessária para o peregrino que chega à procura de descanso, o qual também se pode deleitar com produtos naturais da zona, servidos para recobrar as forças de quem continua o Caminho no dia a seguir.

Dia 6

Casaldoeiro / A Rúa - Etapa 6 (21.1 km)

Logo a seguir a Casaldoeiro encontramos Arzúa, o ponto onde o Caminho do Norte e o Caminho Francês se unem. Nesta localidade, célebre pelos seus queijos com denominação de origem Arzúa-Ulloa, a rota torna-se urbana, sendo possível visitar a igreja de Santiago e a capela de A Magdalena, que pertenceu a um antigo hospital de peregrinos.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Deixa-se o núcleo de Arzúa para trás entre prados e florestas de carvalhos e eucaliptos, que rodeiam pequenas aldeias com nomes como A Calzada o A Calle, que denotam um vínculo secular com a rota jacobeia. Depois de Salceda segue-se a subida até ao cimo de Santa Irene, atravessamos a localidade com o mesmo nome e, continuando a subir, chegamos a A Rúa, uma aldeia de ambiente medieval muito pitoresca, com casas de pedra, celeiros e hortas domésticas.

Casa Calvo
O Pino / Etapa 6

Casa Calvo Casa Calvo é uma antiga casa nobre do séc. XVIII, recentemente restaurada. Está situada num lugar rodeado de florestas de carvalhos, nas margens do rio Tambre. Cada um dos seus quartos possui uma personalidade própria, com mobiliário, decoração e arquitectura específicos.

Dia 7

A Rúa / Santiago de Compostela - Fase 7 (20.7 km)

Esta última fase decorre por Arca, capital do município d’O Pino. Nesta zona, encontram-se restos de citânias da cultura castreja e uma ponte de origem romana sobre o rio Mera.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

O percurso continua por um frondoso caminho florestal e, depois, pela Lavacolla, passando pelas imediações do aeroporto compostelano. Começa-se a subida até ao Monte do Gozo, de onde se pode avistar pela primeira vez uma extraordinária panorâmica da cidade de Santiago e das torres da Catedral. A partir deste ponto, começa o percurso urbano que decorre pelos bairros de San Lázaro e Os Concheiros, para continuar pela Rúa de San Pedro, Porta do Camiño, Rúa das Casas Reais, Rúa das Ánimas e Rúa da Acibechería, que conduz diretamente à Praça do Obradoiro.

Preço

A rota inclui 193 quilómetros que co Bono Iacobus se realiza em 7 dias / 7 etapas. No final de cada etapa, o viajante é recolhido junto ao caminho e transportado em automóvel para um alojamento rural, no qual pernoitará após um merecido jantar caseiro, elaborado com produtos da zona.

De manhã, depois de um pequeno-almoço completo, o caminhante será levado novamente num automóvel até ao início da sua etapa seguinte.

Serviços opcionais:

  • Piquenique para a etapa de cada dia.
  • Transporte da bagagem em táxi.

Preço com jantar e pequeno-almoço incluídos:

  • 1 Pessoa (quarto individual) 610 € (IVA incluído)
  • 2 Pessoas (quarto duplo) 880 € (IVA incluído)

O Bono Iacobus pode ser contratado ao longo de todo o ano, exceptuando o mês de Agosto e a Semana Santa, de forma individual, por duas pessoas, ou grupos.
Pode obter informação adicional sobre o Bono Iacobus a través do número de telefone 902 190 160 / +34 981 568 521 (*) ou enviando uma mensagem de correio electrónico para info@galiciaincoming.com
(*) A comercialização é realizada através de agências de viagens legalmente autorizadas.

Como chegar a Ribadeo

  • Opção A: Traslado Santiago – Ribadeo em autocarro com frequência diária e uma duração aproximada da viagem de quatro horas. Horário: De segunda-feira a domingo: 08:30 - 18:00 h.
    • Empresa de autocarros (Santiago – Ribadeo): ALSA - Tel.: +34 902 422 242 - Web: www.alsa.es
  • Opção B: Traslado Santiago – Ferrol em autocarro e Ferrol – Ribadeo de comboio com frequência diária e diferentes horários.Horário: Santiago – Ferrol: Diferentes horários. Duração aproximada da viagem de uma hora e meia. Horário Ferrol – Ribadeo: De segunda-feira a domingo: 8:10 – 10:30 – 15:18 – 18:45 h. Duração aproximada da viagem de três horas.
    • Compañía de autobuses (Santiago – Ferrol): MONBUS – Tel: +34 902 292 900 – Web: www.monbus.es
    • Estação de Autocarros de Santiago: C/ San Caetano, s/n – Tel: +34 981 542 416 - Web: www.tussa.org
    • Estação de Autocarros de Ferrol: Paseo de la Estación, s/n. Tel: +34 981 324 751
    • Companhia de caminhos de ferro: RENFE - Tel: +34 902 240 202 – Web: www.renfe.es
    • Estação de caminho de ferro de Ferrol: Avenida de Compostela, s/n – Web: www.adif.es

A informação sobre os dias de operação, horários e duração dos trajectos é apenas ORIENTATIVA e deve ser confirmada junto da empresa que presta o serviço.

Arriba