Bono IacobusO Camiño Primitivo debe o seu nome a ser o primeiro itinerario xacobeo do cal se ten referencia.

Um dos primeiros devotos a seguir esta rota foi o rei Alfonso II o Casto que, governando o Reino Astur percorreu o caminho desde Oviedo até Santiago de Compostela, ao confirmar que os restos aparecidos pertenciam a Santiago Maior.  Por ordem do rei construiu-se uma pequena igreja no lugar da descoberta, e a notícia propagou-se entre a comunidade de crentes, iniciando-se as peregrinações e a organização do culto apostólico na urbe que então nascia.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Historicamente, o ponto de origem do Caminho Primitivo encontra-se na cidade de Oviedo, somando-se à rota ovetense os peregrinos procedentes do norte da Espanha e da Europa. No séc. X, com a consolidação do Caminho Francês desde Leão, os dois itinerários confluirão no município de Palas de Rei.

O trajeto desde Oviedo até Lugo, entrando na Galiza através do alto de O Acebo, é um percurso de alta montanha. Grande parte deste itinerário está situado em quotas acima dos oitocentos metros de altitude, com contínuas subidas e descidas. Estas caraterísticas orográficas, assim como as condições climáticas, com frequentes nevões e fortes ventos, convertem-no num caminho de especial dificuldade.  A dificuldade do caminho levou à proliferação de hospitais para peregrinos ao longo do mesmo.

A dureza da rota é compensada pela beleza da paisagem e pela variedade do entorno. A maior parte do itinerário decorre em plena natureza, atravessando bosques, montanhas, rios, regatos, vales, campos de cultivo ou pequenas aldeias, mas também oferece a possibilidade de passear por urbes históricas como Lugo, a cidade mais antiga da Galiza, com mais de dois mil anos de história, onde é indispensável uma visita à sua catedral românica com elementos de estilo barroco e neoclássico, bem como um passeio pela muralla romana que rodeia o núcleo histórico e que foi declarada Património da Humanidade no ano 2000.

Dia 1

A Fonsagrada / A Fontaneira – Etapa 1 (20 km)

O itinerário começa na capital municipal de A Fonsagrada em cuja zona urbana se encontra a "fons sacrata" cuja origem se relaciona com um milagre do apóstolo Santiago que, depois de ser atendido hospitaleiramente por uma viúva, para ela converteu a água desta fonte em leite fresco para os seus filhos. A tradição jacobeia desta povoação é extensa, existindo abundante documentação sobre a passagem de peregrinos, que remonta a finais do século. XII.
Saindo de A Fonsagrada avista-se San Xoán de Padrón, com a sua igreja do séc. XVIII, alcançando-se rapidamente o lugar de Montouto, onde se situam as ruínas do foi talvez o último dos hospitais dos Caminhos da Galiza, que permaneceu aberto até bem entrado o séc. XX, e em cujas imediações se conserva um magnífico dólmen. Abandonando Montouto o caminho continua até Paradavella, onde se conservam numerosas palhoças e edifícios singulares que refletem a evolução da construção tradicional desta zona de montanha. A rota desce depois até à aldeia de A Degolada, começando novamente a subir até alcançar o alto de A Fontaneira.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Longarela Casa Rural
Castroverde / Etapa 1

LongarelaO seu nome procede da contração das palavras galegas “longa” e “arela”, que se poderia traduzir como "profundo desejo". Trata-se de uma antiga casa de lavoura, no seu tempo rica e importante, com referências documentadas que se remontam ao séc. XVII. A atual configuração arquitetónica, composta por quatro edifícios reabilitados de maneira tradicional, data de finais do séc. XIX e situa-se numa quinta com 70000 m2 de prados, povoada por árvores autóctones como carvalhos, castanhos, azevinho e bétulas ou freixos.
.

Dia 2

A Fontaneira / Vilar de Cas – Etapa 2 (20.1 km)

Continuando pelo caminho chega-se a O Cádavo, capital do município de Baleira, cuja tradição assegura que Alfonso II o Casto se enfrentou aqui a um exército islâmico no vizinho Campo da Matanza. O caminho continua pelo alto de A Vaqueriza para chegar a Vilabade, de cujo convento se conserva a igreja gótica do séc. XV, declarada Monumento Nacional. Prossegue o caminho para Castroverde, com a sua igreja dedicada a Santiago, em que se ergue a torre da menagem do séc. XIV, pertencente a um antigo castelo dos Lemos e posteriormente dos Altamira. A partir de Castroverde o caminho atravessa pequenas aldeias como Camiño ou Moreira, terminando a etapa no lugar de Vilar de Cas.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Longarela Casa Rural
Castroverde / Etapa 2

LongarelaO seu nome procede da contração das palavras galegas “longa” e “arela”, que se poderia traduzir como "profundo desejo". Trata-se de uma antiga casa de lavoura, no seu tempo rica e importante, com referências documentadas que se remontam ao séc. XVII. A atual configuração arquitetónica, composta por quatro edifícios reabilitados de maneira tradicional, data de finais do séc. XIX e situa-se numa quinta com 70000 m2 de prados, povoada por árvores autóctones como carvalhos, castanhos, azevinho e bétulas ou freixos.

Dia 3

Vilar de Cas / Lugo – Etapa 3 (16 km)

Inicia-se o caminho destacando nas imediações da rota jacobeia a aldeia abandonada de Soutomerille, onde se conserva em bom estado a igreja de origem pré románica, reformada por última vez no princípio do séc. XVII. Deixando para trás Soutomerille, entre campos de cultivo e pequenas aldeias o caminho aproxima-se a Lugo, passando pelas localidades de Carballido, Fazai e Santiago de Castelo. O Caminho Primitivo entra na antiga Lucus Augusti pela Porta de San Pedro, dirigindo-se por um traçado já urbano para a Catedral de Santa María, de estilo românico, revestida de elementos barrocos e neoclássicos. Destacam-se o deambulatório e as capelas radiais de estilo gótico, o retábulo mor renascentista, e o claustro e a capela da Virxe dos Ollos Grandes, obras de Fernando de Casas, autor também da fachada do Obradoiro. Merece ainda destaque a muralha romana (sécs. III-IV) com os seus 2140 m de perímetro, 10 portas e 46 torres defensivas, declarada Património da Humanidade no ano 2000.
Outros monumentos significativos da cidade são o convento de Santo Domingo, o Palácio Episcopal, o edifício da Câmara Municipal ou a fonte da Praza do Campo, ou a igreja conventual de San Francisco, em cujo convento se situa a sede do Museu Provincial. É também recomendado um passeio pelas margens do rio Miño, ou a visita ao balneário da cidade, com origem numas termas romanas das que ainda se conserva uma parte.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Pazo de Orbán e Sangro
Lugo / Etapa 3

Pazo de Orbán e SagroA construção da Casa dos Sangro tem início em 1730, a partir de uma encomenda realizada ao arquitecto compostelano Lucas Ferro Caaveiro, sofrendo certas modificações em 1769, como a incorporação do escudo dos Quiroga que preside a sua fachada. O edifício, situado em pleno centro histórico de Lugo, foi reformado e inaugurado como um hotel em Março de 2008. Do seu interior cabe destacar a escadaria, de pedra no primeiro andar e de madeira nos dois seguintes, a decoração própria de cada uma dos seus espaçosos quartos e quartos de banho, e a profusão de detalhes únicos como quadros, candeeiros, radiadores, talhas em madeira, etc. que decoram as |estâncias comuns; tudo de acordo com ao esplendor de uma casa senhorial do séc. XVIII.

Dia 4

Lugo / Ferreira – Etapa 4 (27.2 Km)

Sai-se de Lugo pela Porta Miñá ou Porta do Carme - a mais antiga da muralha - atravessando uma ponte de origem românica, até alcançar o bairro de San Lázaro. O caminho atravessa a pequena localidade de San Vicente do Burgo com uma interessante igreja barroca. A 3 km do caminho pode visitar-se o templo paleocristián de Santalla de Bóveda, declarado Monumento Nacional e que conserva um dos conjuntos de pinturas murais do período alto-medieval mais interessantes da Península Ibérica.
Regressando ao caminho, atravessa-se o lugar de Bacurín, com a sua igreja românica do séc. XII dedicada a S. Miguel, e posteriormente pela aldeia de O Francés para entrar no município de Guntín, atravessando a paróquia de S. Romao da Retorta. Mais adiante alcança-se a igreja românica de Santa Cruz da Retorta com um crismão dos chamados "trinitários", caraterísticos das zonas de influência do Caminho de Santiago. O caminho continua por Seixalbos e Xende, até chegar a Ferreira.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Casa da Ponte
Palas de Rei / Etapa 4

Casa da PonteEsta antiga casa de lavoura, situada na comarca de A Ulloa, foi construída entre os anos 1840 e 1841, sendo restaurada em 1993, para se dedicar à atividade de turismo rural a partir de 1995. Consta de dois pisos, com 130 m2 de superfície cada um. No piso inferior encontram-se os espaços comuns (cozinha, sala de jantar, sala de estar e adega), enquanto no piso superior se distribuem os 5 quartos e os quartos de banho da casa. A casa está situada num prédio de 3000 m2, onde se conservam outras edificações como o palheiro, o forno e o espigueiro. Os terrenos da propriedade estendem-se até ao rio Ferreira, e à ponte romana por onde passa o Caminho Primitivo.

Dia 5

Ferreira / A Castañeda – Etapa 5 (28.2 km)

Ao deixar Ferreira encontramo-nos com as povoações de Leboreira, Augas Santas e Merlán, entrando na província de A Coruña pelo município de Toques, depois de atravessar a serra de Careón e as povoações de Vilouriz e Vilamor. A rota chega assim a Melide, núcleo de intensa identidade histórica jacobeia, coincidindo a partir deste ponto com o trajeto do Caminho Francês. Destacam nesta vila a igreja de Sancti Spiritus, onde se encontram sepulcros senhoriais do séc. XV, e o templo românico de Santa María de Melide. Do lado da capela de San Roque ergue-se um cruzeiro gótico do séc. XIV, considerado como um dos mais antigos da Galiza. Deixando para trás Melide, o itinerário atravessa Boente, onde se destaca a sua igreja de Santiago, até chegar a A Castañeda, onde se situaram os fornos de cal utilizados para a construção da Catedral de Santiago.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Casa Milia I e II
Arzúa / Etapa 5

Casa MiliaCASA MILIA I ocupa uma antiga casa de lavoura, recentemente reabilitada com recurso a materiais como a pedra e a madeira.  A primeira construção em alvenaria data de 1940, sendo reformada no ano 1993 e conservando-se atualmente em perfeitas condições. Dispõe de uma superfície útil de 130 m², distribuídos em quatro quartos com quarto de banho e um salão social, além de um amplo jardim que rodeia a casa.

CASA MILIA II é uma acolhedora pensão rural situada junto da casa de lavoura de igual nome. Foi construída no ano 2001 com fachada de pedra e estilo rústico. Dispõe de 4 quartos duplos com quarto de banho, e restaurante, onde se pode degustar a cozinha galega tradicional.

 

Dia 6

A Castañeda / O Empalme – Etapa 6 (21.3 km)

Atravessando uma ponte medieval atravessamos o rio Iso ao chegar ao hospital de Ribadiso, convertido actualmente num albergue de peregrinos. Seguindo a rota o caminho entra em Arzúa, onde se acham|numerosos vestígios jacobeus como a igreja de Santiago ou a capela gótica de A Magdalena. Além disso, a região é conhecida pela elaboração do queijo de denominação de origem Arzúa-Ulloa. Abandona-se O caminho prossegue abandonando a localidade e atravessando as aldeias de A Calzada, A Rua e Ferreiros, A Salceda e A Brea, para finalizar a etapa em O Empalme.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

A Pena de Augasantas
Touro / Etapa 6

Casa da PenaA casa foi adquirida a meados do séc. XVII por um galego emigrado em Cuba. Conhecida como a "Casa da Pena" foi usada como casa de Verão, passando a ser residência habitual no final do séc. XVIII. A construção, tipicamente galega, de planta rectangular com diferentes níveis, sustentada por robustos muros e vigas de castanho, foi restaurada em 2001 conservando ao máximo a sua morfologia e elementos originais. Está rodeada por uma quinta com árvores próprias da zona, algumas delas centenárias, bordejada por muros e cortes de trânsito típicos da época.

Dia 7

O Empalme / Santiago de Compostela – Etapa 7 (23.2 km)

O percurso tem início passando pelas aldeias de Santa Irene, com a sua singular capela e fonte, e A Rúa para chegar a Pedrouzo (Arca), capital do município de O Pino.
Abandonando O Pino entra-se no município de Santiago, passando pelas imediações do aeroporto. Ao chegar a A Lavacolla, os peregrinos tradicionalmente lavavam-se no riachuelo do lugar, para subir depois ao Monte do Gozo e poder dividir pela primeira vez na distância as torres da Catedral. Na descida inicia-se um trecho urbano que penetra na cidade pelo bairro de San Lázaro, tendo depois o caminhante de alcançar o antigo bairro de Os Concheiros, onde se situavam os postos que vendiam as conchas de vieira aos peregrinos recém-chegados. Baixando pela rua de San Pedro desemboca-se na Porta do Camiño, continuando pela Rua das Casas Reais, a Praza de Cervantes e a Rua da Acibechería, para alcançar a meta final entrando na Catedral de Santiago.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Perfil

Preço

A rota inclui de 156 quilómetros que co Bono Iacobus a realizar em 7 dias/7 etapas. No final de cada etapa, o viajante é recolhido junto ao caminho e transportado em automóvel para um alojamento rural, no qual pernoitará após um merecido jantar caseiro, elaborado com produtos da zona.

De manhã, depois de um pequeno-almoço completo, o caminhante será levado novamente num automóvel até ao início da sua etapa seguinte.

Serviços opcionais:

  • Piquenique para a etapa de cada dia.
  • Transporte da bagagem em táxi.

Preço com jantar e pequeno-almoço incluídos:

  • 1 Pessoa (quarto individual) 530 € (IVA incluído)
  • 2 Pessoas (quarto duplo) 760 € (IVA incluído)

Bono Iacobus pode ser contratado ao longo de todo o ano, exceptuando o mês de Agosto e a Semana Santa, de forma individual, por duas pessoas, ou grupos.
Pode obter informação adicional sobre o Bono Iacobus  a través do número de telefone 902 190 160 / +34 981 568 521   (*) ou enviando uma mensagem de correio electrónico para info@galiciaincoming.com
(*) A comercialização é realizada através de agências de viagens legalmente autorizadas.

Como chegar a A Fonsagrada

  • Traslado Santiago – Lugo y Lugo – A Fonsagrada em autocarro com frequência diária. Horario Santiago – Lugo: Saídas frequentes operadas por duas companhias de autocarros, com uma duração média de duas horas de trajeto, dependendo da rota. Horario Lugo - A Fonsagrada: Saídas frequentes dependendo do dia de operação.
    • Empresa de autocarros (Santiago – Lugo): MONBUS – Tel.: +34 902 292 900 -Web: www.monbus.es
    • Empresa de autocarros (Santiago – Lugo): EMPRESA FREIRE – Tel: +34 981 588 111 - Web: www.empresafreire.com
    • Empresa de autocarros (Lugo – A Fonsagrada): HERVEI – Tel: +34 982 222 900 - Web: www.her-vei.com
    • Estação de autocarros de Santiago: C/ San Caetano, s/n – Tel: +34 981 542 416 - Web: www.tussa.org
    • Estação de autocarros Lugo: Plaza Constitución, s/n – Tel: +34 982 223 985

A informação sobre os dias de operação, horários e duração dos trajectos é apenas ORIENTATIVA e deve ser confirmada junto da empresa que presta o serviço.

Xunta de Galicia

© 2016 Turismo de Galicia | Todos os direitos reservados
Política de privacidade | Contacto | Accesibilidade

Galicia
Arriba