Relaxaremos nas águas mineromedicinais das estâncias termais, faremos um passeio de catamarã pelo Minho, conheceremos adegas e mosteiros e chegaremos ao bairro judeu de Ribadavia.

As adegas propostas neste itinerário são um exemplo das muitas que podem encontrar de uma ponta à outra do território que forma a Denominação de Origem, das modernas e grandes como a da Cooperativa do Ribeiro às mais pequenas, de viticultor, com um tratamento mais familiar e próximo.

O Ribeiro é a comarca produtora de vinho mais ancestral da Galiza.Os rios Minho, Arnoia, Avia e Barbantiño confluem nela, deixando à sua passagem uma frondosa vegetação ribeirinha intercalada com vinhedos e hortas. Nas suas encostas encontram-se igrejas, mosteiros, paços, castros e judiarias, bem como fontes termais, que ressuscitam numa nova idade de ouro para as suas estâncias termais.

Mais informação...
- Adega Pazo de Casanova. www.pazocasanova.com
- Adega Viña Meín. www.vinamein.com
- Estância Termal d’A Arnoia. Telefone: 988 492 400
- Estância termal de Cortegada. Telefone: 988 483 276

1º dia

A Arnoia abre-nos as portas à comarca vitivinícola mais antiga da Galiza

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

A Arnoia é o local escolhido como ponto de partida para entrarmos na comarca vitivinícola mais antiga da Galiza, O Ribeiro. Neste município, nas margens da barragem de Frieira, dá-se o paradigma da harmonia entre vinho, água e termalismo que encontraremos noutros locais da comarca.

A Estância Termal d’A Arnoia

A localidade conta na sua oferta de alojamento com um estabelecimento hoteleiro com encanto reabilitado sobre um antigo priorado cisterciense. Também existe um moderno hotel que alberga uma estância termal de águas hipotermais; emanam a 22 graus e a sua composição sulfurada e fluorada é a adequada para combater afeções reumáticas, dermatológicas ou respiratórias.

Recomendamos que cheguem cedo durante a tarde se quiserem aproveitá-la relaxadamente nestas termas, que assenta numa encosta, tal como o fazem aqui os vinhedos. Do seu lugar privilegiado, olha para as águas represadas e para os bosques ribeirinhos do Minho. É a mesma paisagem que veremos desde as suas piscinas exteriores e interiores.

Passeio de catamarã pelo rio Minho

Se o tempo estiver propício, poderemos completar a balneoterapia com um passeio de catamarã pelo rio Minho. Praticamente aos pés da estância termal, encontra-se o embarcadouro de madeira. A travessia decorre por estas águas tranquilas durante mais de uma hora, acompanhados permanentemente por vinhedos e carvalhos, salgueiros, amieiros e bétulas. Consoante a época do ano, estes tingir-se-ão de verde, castanho, vermelho ou amarelo.

Chegaremos a outra povoação termal, a de Cortegada, cuja estância termal vemos exibir-se majestosamente nas margens, abrigada pelo bosque às suas costas. Se não for primavera ou verão, aconselhamos a marcarem a viagem com antecedência com a empresa organizadora. Nas termas, poderão ajudar-vos a entrar em contacto com a mesma ou fazê-lo eles diretamente.

Os típicos pimentos d’A Arnoia são apresentados de maneiras muito diferentes, inclusivamente em gelado

Ao jantar, para acompanhar um vinho ribeiro, podemos pedir produtos tradicionais e, se for a época, regalarmo-nos também com um dos manjares especiais da comarca: os reconhecidos pimentos d’A Arnoia. São deliciosos tanto fritos como recheados ou em tortilha. Serve-se inclusivamente gelado de pimentos. Em agosto, realiza-se a festa de exaltação deste produto, declarada de interesse turístico.

2º dia

De passeio pelas adegas, admirando a monumentalidade do território e o bairro judeu de Ribadavia

A Adega Pazo de Casanova

De manhã, depois do pequeno-almoço, dirigimo-nos à povoação de Santa Cruz de Arrabaldo, perto da cidade de Ourense. Visitaremos a adega Pazo de Casanova, a meia hora de caminho pela A-52, pela N-120 e pela estrada provincial OU-0522. Depois de franquear as muralhas de pedra do paço rural do século XVIII pertencente à adega, veremos nas encostas da quinta as videiras de treixadura, albariño, godello e loureira, ao longo de uma extensão de dez hectares voltados a poente.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Durante o passeio, explicar-nos-ão o processo tradicional de elaboração seguido pela adega. E conheceremos os projetos de investigação nos quais estão mergulhados para contribuir para o desenvolvimento e evolução dos vinhos da zona, em colaboração com a Estação de Viticultura e Enologia da Galiza. Ao terminar, degustaremos os seus vinhos e bagaços.

A Adega Viña Meín

Depois da toma de contacto com a primeira adega, sugerimos-vos que se ponham a caminho do município de Leiro, no curso médio do rio Avia, a caminho entre Ribadavia e O Carballiño. Na freguesia de San Clodio do Ribeiro encontra-se a  adega Viña Meín, que poderemos visitar e onde poderemos degustar os seus vinhos.

Rodeada por uma plantação de treixadura, o velho e grande casal é hoje em dia um sedutor alojamento de turismo rural, pioneiro do enoturismo na Galiza, do qual podemos ver os vinhedos a subir pela encosta. A adega, cuja construção é nova, está erigida aos pés do edifício destinado aos hóspedes, aproveitando as pedras originais da adega antiga.

O mosteiro cisterciense de San Clodio

A apenas um quilómetro daqui, encontra-se o Mosteiro de San Clodio, Monumento Histórico-Artístico desde 1931 e considerado o berço dos vinhos d’O Ribeiro. Os monges cistercienses ocuparam-no no século XII e o seu trabalho impulsionou o cultivo da videira neste território. A terra, as suaves encostas e a orientação a sul e oeste fizeram o resto do trabalho. Alberga hoje um hotel-monumento. Podemos ter acesso livre ao seu interior e passear pelos seus jardins ou visitar os claustros. Na sua igreja, sobressai o retábulo e o curioso artesoado mudéjar por baixo do coro.

Carne, vinho e licor de café

De regresso, no restaurante do hotel, teremos a oportunidade de degustar carne ao barro ou borrego ou escolher outros estabelecimentos da freguesia com ementas baseadas na cozinha tradicional e regados com os vinhos da zona. Depois das sobremesas, é típico pedir um copinho de licor de café, tão popular em toda a província de Ourense.

Quando acabarmos, podemos dar um passeio até à  ponte medieval de San Clodio, que, juntamente com o mosteiro, completa o conjunto histórico-artístico. Reparem na cruz que coroa o seu arco central. Na parede externa, há uma figura de um santo que poderia ser São Clódio.

O bairro judeu de Ribadavia

Dedicaremos o resto da tarde a deambular por Ribadavia, a capital d’O Ribeiro, onde se realiza, no fim de abril ou no início de maio, a  Feira do Vinho do Ribeiro, a mais antiga da Galiza e de Interesse Turístico. O vinho também atraiu a esta vila uma importante comunidade hebreia, que chegou a ser metade da sua população.

Podemos entrar no bairro judeu, entre a praça Mayor e a muralha. Entre as suas lojas destaca uma que prepara deliciosos doces hebreus seguindo as antigas receitas. A Casa da Inquisição é um belo edifício do século XVI, que poderão distinguir porque na fachada foram lavrados cinco escudos das famílias ligadas ao Santo Ofício, chegado à vila para vigiar e justiçar os falsos conversos judeus.

Uma visita às ruínas do castelo dos Condes de Ribadavia

As ruínas do castelo dos Condes de Ribadavia, na parte alta desta povoação, são o ícone desta vila. Abandonado desde o século XVII, ainda se percebe a grandeza de ter sido uma das maiores fortalezas medievais da Galiza. Convidamos-vos a atravessar as três portas da muralha que se conservam: a Porta de Cerca Oeste, diante da alameda, a Porta de Celanova, a sul e em comunicação com o rio, e a Porta Falsa, a sudeste, a caminho do moinho. No miradouro da praça Buján poderão descansar do passeio vendo o rio Avia correr o qual, mais adiante, entregará as suas águas ao Minho.

Ribadavia tem uma grande quantidade de bares com uma rica seleção de vinhos, além dos próprios da Denominação de Origem O Ribeiro. São uma excelente opção para petiscar e jantar. Algum destes estabelecimentos oferece durante a noite espetáculos de música em direto de grupos locais.

 

3º dia

Um tratamento na estância termal d’A Arnoia ou um passeio de barco

Depois do pequeno-almoço, podem continuar a aproveitar as propriedades mineromedicinais da estância termal d’A Arnoia, onde podem receber uma massagem ou um tratamento de estética, saúde ou relaxamento.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Se assim o preferirem, podem descer até ao embarcadouro, alugar um pequeno barco a remos e navegar por estas águas mansas. Outra alternativa é passear pela margem e contemplar a paisagem ou tomar algo no seu pequeno e rústico bar rodeado de jardins e com mesas de madeira.

Xunta de Galicia

© 2016 Turismo de Galicia | Todos os direitos reservados
Política de privacidade | Contacto | Accesibilidade

Galicia
Arriba