O rio Navea verte as águas no Bibei, um pouco antes de este as ceder por seu turno ao Sil, o qual espera o mesmo no Minho. Toda uma casualidade das águas que põe o Maciço Central ourensano em contacto com o maior sistema fluvial do noroeste peninsular: o Minho-Sil. Todos estes rios lavraram corredores naturais com uma paisagem à medida. O vale do Navea é o que se conserva menos alterado. No início do espaço protegido, encontra-se uma das suas principais atrações: Ponte Navea, construída na Idade Média sobre os restos da antiga ponte romana.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Destaca pelo predomínio da vegetação arbustiva, como é o caso da grande floresta de San Xoán de Río, a um dos lados do rio, e do outro, um dos famosos castanhais da comarca de Trives. Castanheiros históricos acompanhados pelos “sequeiros”, construções de um andar empregues para secar as castanhas. Alguns estão a ser reabilitados.

Dados de interesse

Situação
Municípios ourensanos de San Xoán de Río e A Pobra de Trives.

Superfície
706 ha.

Acesso
Desvio por estradas locais a partir da OU-536 (Ourense-A Rúa) na sua passagem pelo municio d’A Pobra de Trives.

Serviços
Alojamento e comida: Sim.

Xunta de Galicia

© 2016 Turismo de Galicia | Todos os direitos reservados
Política de privacidade | Contacto | Accesibilidade

Galicia
Arriba