O geodestino Mariña Lucense abrange os municípios de Alfoz, Barreiros, Burela, Cervo, Foz, Lourenzá, Mondoñedo, Ourol, A Pontenova, Ribadeo, Trabada, O Valadouro, O Vicedo, Viveiro e Xove.

Mar e serras, rios e rias, prados e praias.

Na Mariña Lucense, as florestas confundem-se com o mar. É a Galiza Verde que se assoma ao Cantábrico. Perto de 100 km de costa salpicada de maravilhas naturais. Da paisagem recolhida da ria d´O Barqueiro à grandiosidade da praia d'As Catedrais, um monumento natural escavado pelo mar com uma dimensão sobrenatural. Do estuário do rio Sor, paraíso de peixes e aves aquáticas, ao estuário do Eo, Reserva da Biosfera. Mas, além disso, Foz, Viveiro e Ribadeo, portos que conservam a marca de um passado senhorial. Em Cervo, Sargadelos, uma das cerâmicas mais emblemáticas da Galiza.

E no interior da Mariña Lucense, dois tesouros ocultos. Um é a Serra do Xistral, sombria e misteriosa, terra de turfeiras e cavalos selvagens. O outro é Mondoñedo, no Caminho de Santiago (o do Norte), antiga sede episcopal com uma bela catedral do século XIII.

Património

A história da Mariña Lucense está ligada intrinsecamente à do Marechal Pardo de Cela. Lugares como a ponte de O Pasatempo, o castelo da Frouxeira ou o Castro de Ouro en Alfoz, assim como a vila de Mondoñedo fazem parte da rota que percorreríamos na procura das marcas desta personagem que chegou até nós de forma quase lendária. Também o Marquês de Sargadelos foi uma figura destacada nas terras do norte da província de Lugo.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Os peregrinos a Compostela atravessam as terras da Mariña no discorrer pelo Caminho do Norte. No percurso descobrem-se joias como o bairro de Os Muíños e a rotunda Catedral de Mondoñedo. Na Mariña está tambén a igreja de San Martiño de Mondoñedo, a Catedral mais antiga que se conserva em Espanha, e também importantes cenóbios como o convento de San Salvador de Lourenzá.

A torre do castelo de Pardo de Cela em Alfoz, a torre dos Moreno em Ribadeo ou a porta de Carlos V em Viveiro são recursos monumentais muito significativos nesta zona na que também se conservam elementos etnográficos de grande valor como o conjunto da Ferrería do Bogo em A Pontenova. Os vestígios históricos como o dólmen de Santo Tomé em O Valadouro e os castros celtas de Illade, Sumoas e Coto de Vela em Xove conformam uma ampla gama de recursos que farão da visita à Mariña Lucense uma viagem inesquecível.

Entre a oferta expositiva e museológica da Mariña Lucense destaca-se o Museu Histórico de Sargadelos em Cervo, o Barco Museu-Boniteiro "Reina del Carmen" de Burela, o Museu do Mar de San Cibrao e o Museu de Arte Sacra de Vilanova de Lourenzá.

Espaços naturais

Porém, a Mariña Lucense é também um enclave no qual a natureza e a riqueza biológica e geomorfológica dos traços costeiros são parte importante da oferta turística.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

A praia das Catedrais e o Souto da Retorta têm a consideração de Monumentos Naturais; nesta floresta é possível passear entre os mais de 600 eucaliptos que conformam o eucaliptal de Chavín (um deles, popularmente conhecido como “o avô”, alcança os 67 metros de altura). São muitas as zonas naturais protegidas desde o rio Landro até Monte Maior passando pelo Rio Ouro, a Ria de Foz-Masma, o Rio Eo e o floresta de Carballido. Quatro municípios (Alfoz, Mondoñedo, Ourol e O Valadouro) fazem parte da Reserva da Biosfera da Unesco Terras do Miño e três (Ribadeo, Trabada e A Pontenova) da Reserva da Biosfera de Rio Eo, Oscos e Terras de Burón.

Entre os presentes que a natureza nos obsequia na Mariña Lucense estão também a paisagem desde o Monte da Marosa em Burela e os importantes recursos cinegéticos e ictiológicos dos rios Sor e Landro à sua passagem por Ourol, assim como as vistas da ilha Coelleira desde Punta do Embarcadoiro e a cascata do Poço da Ferida em Xove.

 

Festas e gastronomia

Na Mariña Lucense há mais de uma dúzia de festas que contam com a declaração de Festas de Interesse Turístico da Galiza, entre as mais antigas, figuram as San Lucas de Mondoñedo ou a Xira de Santa Cruz de Ribadeo. A Semana Santa de Viveiro conta com a declaração de Festa de Interesse Turístico Nacional. Na Mariña também há outras festas que contam com a declaração de Festa de Interesse Turístico da Galiza: as Padroeiras de San Lourenzo em Foz, a Rapa das Bestas e a Romaria do Naseiro de Viveiro, a Feira do Bonito de Burela, a Festa da Truta da Pontenova, a Festa da Fava de Lourenzá, a Queimada Popular e a Festa do Ouriço de Cervo, a Maruxaina de San Cibrao e o Festival Internacional do Emigrante em Barreiros.

A gastronomia da Mariña Lucense, composta fundamentalmente pelas espécies marinhas do Cantábrico tem na Fava de Lourenzá o produto estrela com Indicação Geográfica Protegida.

DESTACADO: Conjunto Histórico de Sargadelos

De entre o património artístico de Mariña Lucense destacam-se o Conjunto Histórico Artístico de Sargadelos, que abrange os vestígios da antiga fundição e da fábrica de louça, tudo isto fundado por Antonio Raimundo Ibáñez, Marquês de Sargadelos.

Na zona também podemos percorrer o Passeio dos Namorados e a barragem do rio Xunco, assim como ver a Casa da Administração e o Paço do Marquês de Sargadelos, o Museu Histórico de Sargadelos e o complexo industrial da internacionalmente reconhecida cerâmica do lugar. 

Sargadelos é uma das empresas de design e criação de porcelana mais tradicionais da Europa, com mais de dois séculos de história vinculados ao desenvolvimento cultural da Galiza em todos os âmbitos da criatividade.

Arriba