O COUREL

Espaços naturais
No Caminho de Santiago
1174

Posição

Lugo

A Pobra do Brollón | As Nogais | Folgoso do Courel | O Incio | Pedrafita do Cebreiro | Quiroga | Ribas de Sil | Samos | Triacastela

Coordenadas:
42º 37' 47.1" N - 7º 09' 17.5" W

Descrição

Sobre ardósia viva
"O Courel dos tesos cumes que ollan de lonxe" estende-se entre O Cebreiro, ponto de entrada do Caminho de Santiago na Galiza, e o rio Sil pelo sul, mas sem chegar a tocá-lo. Vem a ser uma das terras mais antigas da península. O seu interesse geológico é manifesto: multidão de grutas vivas e gateiras ou o espectacular dobramento de Campodola (Quiroga), qualificado como um dos monumentos geológicos da Europa.
"Terras do lobo, cavorcos do xabaril"... O Courel é a grande reserva verde da Galiza. Todas as espécies, excepto as dos litorais, têm representação neste cruzamento geográfico de montanha, com o melhor das características atlânticas e mediterrâneas. Castanheiros ao redor das aldeias e um reduto das oliveiras em Quiroga. As formações florestais típicas de O Courel são a devesa, nome utilizado para se referir às florestas de muitas outras espécies vegetais, geralmente nas cabeceiras dos rios.
"Eiquí síntese ben pouco o que é un home"... Assim começa o canto à beleza natural do poeta oriundo de O Courel, Uxío Novoneyra. A escassa população destes lugares, onde confluem as províncias de Lugo e Ourense com a comarca leonesa de O Bierzo, é, na actualidade, uma das mais envelhecidas da Europa. Porém, a vida respira verdadeira diversidade e história nos estreitos vales dos rios Lor e Lóuzara, Selmo e Soldón. Nos sopés verdes descobre-se esse outro património de O Courel que são as aldeias de ardósia, o coração da serra. De Romeor a Froxán e de A Ferrería a Ferramulín, os quatro pontos cardinais.

Caminhos de Santiago

Caminho de Inverno
Caminho Francês

Situação

Extremo sul-oriental da província de Lugo.
Municípios de As Nogais, Pedrafita do Cebreiro, Folgoso do Courel, Samos, Triacastela, O Incio, A Pobra do Brollón, Quiroga e Ribas de Sil.

Superfície

SIC “Ancares-Courel” 102.438,90 ha.

Servizos

Alojamento: Sim.
Refeições: Sim.

A não perder

Sem dúvida, O Courel é a grande reserva verde da Galiza e conta também com um rico património histórico. O município de Folgoso do Courel ocupa o espaço central da serra. Desde as principais localidades, Seoane e Folgoso, a antiga e nova capital municipal respectivamente, tem-se acesso a este território pois as duas estão na estrada municipal que liga de norte a sul, desde Pedrafita do Cebreiro até Quiroga, o território. Porém, a natureza de O Courel exigirá os nossos passos para invadirmos a pé os caminhos da floresta.
De Seoane arranca o primeiro desvio até à aldeia de Romeor. Desde aqui é necessário caminhar alguns quilómetros para penetrar numa magnífica devesa e inspeccionar o túnel de A Louseira, construído em época romana para a condução de água.
No desvio da estrada de Seoane em direcção a Moreda e Parada aproximamo-nos a um dos pontos de visita obrigatória: a Devesa da Rogueira. Moreda conta com uma Sala da Natureza, aberta desde a Primavera até aos inícios do Outono e os períodos de férias invernais. A grandeza desta floresta está na reserva botânica com grande variedade de espécies, mais de 800 contabilizadas numa pequena extensão de 200 ha. O itinerário desde a parte baixa da devesa percorre cerca de três quilómetros de abrupta encosta. Pelas encostas precipitam-se os riachos que nascem no cume, como a Fonte do Cervo. Trata-se de uma grande rocha com dois canais dos que manam as águas de cores e sabores diferentes. Uma é cristalina e caliça; a outra, castanha e ferruginosa.
Outra forma de acesso à devesa pela parte alta após o pico Formigueiros (1.639 m) é desde a estrada local de Visuña, Ferramulín, Vieiros, A Seara e Vilarbacú, todas povoações pitorescas. Desde aqui também se pode planificar a subida dos dois atractivos naturais de O Courel. Por um lado, a lagoa de Lucenza, de origem glaciar e que seca alguns Verãos. Por outro, a Buraca das Choias, uma gruta que aflora num riacho.

Natureza senlleira

Cumes adscritos aos piornos e, em geral, com predomínio de monte baixo também de urzais e giestas. Florestas nas altitudes médias de carvalhos, vidoeiros, faias. Massas frondosas bem conservadas e destacáveis como a Devesa da Rogueira.
Abundante fauna com mais de 170 espécies de vertebrados: lobos, raposas, javalis, texugos, martas… Interessantes colónias associadas aos abismos e grutas.

Outras características

Observação de pássaros
Última atualização: 04/05/2015
Arriba