PARQUE NACIONAL MARÍTIMO TERRESTRE DAS ILLAS ATLÁNTICAS DE GALICIA

Espaços naturais
1301
No Caminho de Santiago

Posição

Pontevedra

Bueu | Vigo | Vilagarcía de Arousa

A Coruña

Ribeira

Coordenadas:
42º 13' 38.8" N - 8º 53' 58.6" W

Descrição

Atlântica majestade
Navegar em direcção a poente é uma das grandes aventuras do litoral galego. As ilhas galegas são conhecidas pelos seguintes nomes: Cíes, Ons, Sálvora e Cortegada. Trata-se de um arquipélago de águas muito turquesas e areia suficientemente branca que faz lembrar as praias caribenhas... “até se meter um pé dentro de água”. Assim afirma como mérito o jornal "The Guardian" ao considerar o areal de Rodas nas Cíes como o melhor do mundo. São águas frias com as melhores propriedades do oceano para a vida submarina com histórias únicas de barcos afundados.

Desde o barco na ria de Vigo contempla-se a linha do contorno de três ilhas que brincam a fazer de duas. São conhecidas como as Ilhas Cíes porque continuamos a designá-las pela alcunha romana de Siccas, as ilhas secas, embora nenhuma por si só se chame assim. A do Norte ou de Monteagudo e a do meio ou do Faro estão unidas pelo finíssimo areal de Rodas e um lago que completa a estampa paradisíaca. A ilha do sul ou de San Martiño está afastada das outras por um canal chamado “Freu da Porta”. O arquipélago alcança, além disso, uma série de ilhotes que se unem debaixo da superfície nuns fundos de enorme e frágil biodiversidade, desde a beleza microscópica nos prados de algas até à grandiosidade dos cetáceos que é comum observar.
Ons e a irmã Onza ou Onceta e o ilhote das Freitosas fecham a ria de Pontevedra com uma linha de costa perfilada com areia de praias. Pelo contrário, a parte não visível desde terra é extremamente agreste e propícia para a formação de grutas marítimas (“furnas”) e escolhos. A paisagem submarina desta face oceânica é constituída por paredes verticais repletas de vida graças ao afloramento de águas profundas ricas em nutrientes. Os habitantes desta ilha, que se dedicam à pesca entre a qual se destaca a captura do polvo, sabiam-no bem e é a única do Parque Nacional que está actualmente povoada.
Sálvora, no extremo ocidental da ria de Arousa, com toda a constelação de ilhas carregada de lendas e histórias de marinheiros como as de Noro, Vionta e Sagres, é a reserva total em fundo e superfície. Tal como nas Ilhas Cíes e Ons, a passagem do homem deixou a existência de edificações de uso religioso (capelas, altar e igreja), civil (faróis), militar (fortalezas) e industriais. Em Sálvora a fábrica de salgação converteu-se em paço com duas torres e encontros, além disso, uma aldeia de bela aparência tradicional com oito espigueiros e capela.
Cortegada e as vizinhas Malveiras gozam da proverbial riqueza biológica do mar interior de Arousa. Para observar a actividade produtiva, no cais e no passeio de Carril oferecem-se excelentes lições de apanha de marisco com os parques de cultivo de amêijoa e berbigão. As marés são a única fronteira da ilha de Cortegada que parece conquistável a pé. Às vezes são realizadas visitas guiadas que, além da história insular, revelam, detrás do espesso pinhal, o tesouro vegetal que representa a floresta de loureiros com exemplares de até doze metros de altura.

Acesso

Serviço regular de transporte marítimo de passageiros às Cíes a partir dos portos de Vigo, Baiona e Cangas em temporada alta. De igual modo, a Ons desde Portonovo, Sanxenxo, Bueu e Marín. Serviço de guia a Cortegada desde Carril (Vilagarcía de Arousa). Sálvora, sem serviço marítimo de transporte, tem, além disso, acesso restringido.

Caminhos de Santiago

Camiño Portugués da costa
Rota Marítimo-fluvial
Rota Marítimo-fluvial

Situação

Nas Rias Baixas. Estão compostas por quatro arquipélagos que são Cortegada e Sálvora na ria de Arousa, Ons em frente à ria de Pontevedra e Cíes a fechar a ria de Vigo.

Superfície

8.480 ha (1.194,80 ha terrestres e 7.138 ha marítimos). Em concreto: Cíes (2.658 ha marítimos e 433 ha terrestres), Ons (2.171 ha marítimos e 470 ha terrestres), Sálvora (2.309 ha marítimos e 248 ha terrestres) e Cortegada (147,2 ha maritimos e 43,8 ha terrestres).

Servizos

Alojamento: só nas Cíes e Ons.
Refeições: só Cíes e Ons contam com serviços de restauração.

A não perder

Os veículos não circulam em nenhuma das ilhas que constituem o Parque Nacional. Além disso, outro aspecto que devemos ter em conta é o controlo do lixo. Os visitantes deverão responsabilizar-se pelas embalagens e resíduos que transportarem para as ilhas.
O acesso às Ilhas Cíes é controlado com um número máximo de 1.800 pessoas diárias para garantir a tranquilidade. Desde o embarcadouro de Rodas é fácil encontrar os trilhos principais para visitar os três faróis existentes. Trata-se de rotas de dificuldade média, um pouco exigentes em dias de calor e nalguns troços de subida. Contudo, maior será a recompensa paisagística. Uma das mais recomendadas é a subida em ziguezague ao Monte Faro, a uma distância de 7 km entre ida e volta desde o cais. Neste trajecto encontraremos magníficos observatórios de aves em paisagens como o de A Campá, uma autêntica janela lavrada em pedra onde as aves produzem um ruído ensurdecedor na época de criação. Também conta com uma importante colónia de gaivotas-de-pata-amarela com cerca de 22.000 casais reprodutores.
Na Ilha de Ons o visitante encontrará desde o cais a praia e a povoação do Curro de onde parte uma longa rota com várias possibilidades. Subir ao miradouro do Farol entre as construções dos “ilhéus” ou, então, ir em direcção ao norte e situarnos na solitária e bela praia de Melide. Em direcção ao sul, são vários os caminhos que nos conduzem ao miradouro de Fedorentos passando pelo Buraco do Inferno, uma gruta marítima (“furna”) com forma de poço onde é possível ouvir o rugir do mar desde as entranhas da terra.
Os bilhetes de embarque são emitidos com o regresso fechado em dia e hora para a quantidade de visitantes estabelecida em cada arquipélago. Não existe transporte regular para saltar de uma ilha a outra, mas é possível contratar cruzeiros turísticos para visitar em conjunto os ecossistemas das rias.

Natureza senlleira

Em todas as ilhas existem zonas de reserva para a criação de aves marinhas que o visitante deverá respeitar.
Os sistemas naturais representativos do Parque são as zonas costeiras e a plataforma continental atlântica. A vida vegetal está condicionada pelos ventos carregados de salitre. A flora mais representativa está em alcantilados e dunas. Abundam os tojos e as rarezas do Parque são a camarinha (Corema album), a giesta de Ons (Cytisus insularis) e as flores chamadas “paxariños da Linaria arenária” (pequena planta anual própria das dunas estabilizadas). Grande parte dos animais terrestres também depende do mar e há numerosas colónias de aves, principalmente de gaivota-de-pataamarela e corvo-marinho-de-crista. No mar, é possível avistar cetáceos como o rorqual comum que no Verão frequenta estas águas. Além disso, no meio marítimo são importantes as comunidades de algas pardas.

Información e equipamentos

Casetas de Información en Cíes, Ons e Cortegada
Centro de Visitantes de Ons e Centro de Información en Cíes
Centro de Visitantes do Parque Nacional
Telefone: +34 886 218 082
Direção: Rúa Palma, 4, Vigo

Outras características

Observação de pássaros
Zona ZEPA

Plano

Arriba