Os municípios que integram este geodestino são: A Arnoia, Amoeiro, Avión, Beade, Beariz, Boborás, Carballeda de Avia, Castrelo de Miño, Cenlle, Cortegada, Leiro, Maside, Melón, O Carballiño, O Irixo, Piñor, Pontedeva, Punxín, Ribadavia, San Amaro e San Cristovo de Cea.

Situada no centro da província de Ourense, O Ribeiro é uma terra de férteis vales sulcada por numerosos rios como o Minho, o Arnoia ou o Avia. O Ribeiro é sinónimo de vinho e, já na Idade Média, os monges do mosteiro de San Clodio de Leiro faziam-no chegar às mesas senhoriais de Espanha e Portugal. De facto, a D.O. Ribeiro é a mais antiga da Galiza e uma das primeiras reconhecidas em Espanha.

E para os amantes da arte, há todo um mundo por descobrir, tal como a Rota do Românico, o Parque Arqueológico de San Cibrao de Las, um dos maiores e mais espetaculares castros de toda a Galiza, ou o mosteiro cisterciense de Oseira, considerado o “Escorial galego”, devido à sua magnificência.

Além disso, O Ribeiro é terra de estâncias balneares e águas termais. Arnoia, Laias, Cortegada, Berán e Prexigueiro são perfeitos para uma relaxante escapadela. E não percamos a vila de Ribadavia, famosa pela sua judiaria, uma das mais importantes de Espanha, bem como as suas grandes festas. Na povoação vizinha d’O Carballiño, celebra-se também a "Festa do Polbo", na qual se homenageia um dos manjares da Galiza, o polvo.

Património

Na hora de contemplar as obras dos antepassados, sem dúvida o centro histórico de Ribadavia ressalta sobretudo pelo bairro judeu, com a mais-valia de que a escassa distância se levanta um pequeno templo dos poucos pré-romanos que chegaram até hoje, San Xes de Francelos, visigótico. Porém, tudo isso tem uma saudável concorrência num edifício isolado como poucos e tão bem restaurado que recebeu no seu dia o prémio Europa Nostra: o convento de Oseira, no município de Cea.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Na vila de O Carballiño, conhecida pelas águas minerais que brotam nas margens do Arenteiro, foi construído em meados do século passado o templo da Veracruz, obra do arquiteto Antonio Palacios. Com um estilo eclético é uma das grandes obras religiosas e a mais identificadora da vila.

Espaços naturais

No capítulo de tesouros naturais há que citar, com todos os méritos, Pena Veidosa, mais de dois mil hectares declarados Lugar de Importância Comunitária, um espaço agreste ao noroeste do mosteiro de Oseira. O monumento natural de Pena Corneira encontra-se entre os municípios de Carballeda de Avia, Leiro e Avión, um grande “corno” de pedra de dez metros de altura acompanhado de uma paisagem pétrea.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Festas e gastronomia

É um geodestino repleto de festas, tal como toda a Galiza, mas convém afirmar que aqui reveste outra importância.. Assim, Ribadavia conta com a Exposição e Exaltação do Vinho do Ribeiro, O Carballiño presume da multitudinária Festa do Polvo, A Arnoia é um íman de pessoas com a Festa do Pimento e em San Cristovo de Cea não se dá um passo por motivo da Festa de Exaltação do Pão de Cea (aliás, todos os fornos estão sinalizados permanentemente). Na Festa da Istoria, também em Ribadavia e declarada de Interesse Turístico Nacional, revive todo o mundo judeu, com bando, desfile, xadrez humano e casamento incluídos. Na gastronomia, uma curiosidade para começar: em O Carballiño, além do polvo (com especial menção ao de Arcos, pequena localidade perto da capital do município), saem das mãos dos pasteleiros os cones recheados com creme. No mundo cultural há que regressar a Ribadavia, onde tem lugar cada ano a Amostra Internacional de Teatro.

É difícil encontrar alguém que não conheça o topónimo que identifica o geodestino, algo que se deve sem dúvida ao vinho do Ribeiro, com Denominação de Origem e com muito boa fama desde há mais de quatro séculos. O rio Avia é aqui a artéria na que se organiza uma parte do território, rodeado por montanhas agrestes. Ao lado do Avia e nos sopés das montanhas que o delimitam é onde está a maior parte dos vinhedos.

DESTACADO: Pazos de Arenteiro e Festa do Polbo

A pitoresca aldeia de Pazos de Arenteiro no coração de O Ribeiro constitui uma magnífica amostra da arquitetura popular e palaciana desta zona da Galiza. Uma atrativa rota percorre a localidade partindo dos arredores da Igreja de San Salvador através de um trilho sinalizado que atravessa a romana ponte medieval do rio Arenteiro, que termina numa cascata no Poço dos Fumos. A vegetação autóctone da ribeira e a vinha misturam-se entre a paisagem de pedra deste vistoso núcleo.

Menção destacada neste geodestino merece o polvo de O Carballiño que deu origem à celebração de uma das festas gastronómicas mais multitudinárias e características da Galiza: a Festa do Polvo. Celebra-se cada segundo domingo de agosto no Parque Municipal da vila e goza do privilégio de ser considerada desde 1969 Festa de Interesse Turístico da Galiza.

 

Arriba