A grande duna móvel é a atração. É tão espetacular que foram aqui rodadas cenas de filmes ambientados no deserto. Com mais de 1 km de comprimento, uns 250 de largura e uns 20 m de altura, a duna móvel de Corrubedo impõe-se à distância, branca como uma rainha de areia, neste parque natural que é o mais visitado da Galiza, com quase 300 000 pessoas por ano.

Situado entre as rias de Arousa e a de Muros e Noia, o parque ocupa cerca de 1000 hectares. É constituído pelas dunas, a praia de Corrubedo e as lagoas de Vixán, de água doce, e a de Carregal, de água salgada. Ambas acolhem, entre juncos e canas palustres, as 3000 aves aquáticas que aqui vivem: marrequinhos, maçaricos-reais, patos-trombeteiros, pilritos, borrelhos. Um mundo de penas e grasnidos ao qual se acrescentam os risos e corridas das lontras brincalhonas.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Fruto do vento

Corrubedo é a morada da maior duna da Galiza.

A duna móvel deste espaço aberto entre as rias de Arousa e a de Muros e Noia sobressai pelas dimensões que tem. Mais de um quilómetro de comprimento numa frente de avanço curvada. Nos mais duros meses de inverno, alcança os vinte metros de altura. Calcula-se que tem entre 200 e 250 metros de largura, embora pareça que antigamente era maior. Entre a lenda e o exagero, documenta-se que no fim do século XIX ultrapassava os 60 metros de altura. A barlavento, em frente ao mar, é longa e estendida, como o lombo de um animal. Derriba-se pelo sota-vento, em direção a terra, e, sem vegetação que a contenha, avança pela planície a uma velocidade de dois ou três centímetros todos os anos.

A omnipresença da rainha do Parque não nos deve fazer esquecer as outras atrações que a acompanham: duas lagoas, uma de água salgada e outra de água doce, com extensas marismas associadas e zonas húmidas de importância internacional.

Vixán, a de água doce, alimenta-se das águas do modesto riacho do Muíño, sujeito a oscilações de caudal sazonais. Carregal, a salobre, comunica-se com o oceano dividindo em duas a longa praia diante dos escolhos denominados Pedras da Ferreira. Este canal do mar pelo qual circulam as marés é um dos pontos centrais do Complexo Corrubedo. Nas marismas late o pulso da vida e nelas, o parque reafirma a sua elevada riqueza ecológica em apenas mil hectares de extensão total.

Sem perda

Trata-se de um dos Parques Naturais mais visitados de Espanha.

Há uma rede de caminhos para não invadir a zona dunar e passarelas que mostram o local ao caminhante da forma mais completa e respeitosa. O ponto de partida é a Casa da Costa ou Centro de Receção de Visitantes, situada n’O Vilar. Também tem outro edifício denominado Centro de Interpretação do Ecossistema Litoral da Galiza (CIELGA) formulado como museu divulgativo das questões naturais, geológicas e históricas pelas quais o Parque merece ser conhecido. A proposta de itinerários autoguiados (Caminho da água, Caminho do mar e Caminho do vento) permite a aproximação à maior parte destes aspetos. Não se esqueça dos binóculos em casa.

Nos arredores do recinto protegido, encontra-se o miradouro de Castrocidá, o qual oferece boas vistas da totalidade desta porção da costa. Também são muito recomendáveis as visitas ao dólmen megalítico de Axeitos, muito ligado ao parque, e ao castro galaico-romano de Baroña, já no extremo da franja costeira que nos leva à boca da ria de Muros e Noia.

Neste trajeto pela estrada AC-550, encontraremos indicações para outras duas lagoas protegidas, a de Xuño e a de Muro, perto da bela praia d'As Furnas imortalizada por Amenábar no seu filme Mar adentro.

Natureza Singular

Boa representação natural dos ecossistemas litorais.

Vegetação especializada dos complexos dunares juntamente com um interessante mostruário floral. E canas palustres e juncos próprios das marismas. Paraíso botânico para especialistas interessados em plantas endémicas raras e outras com valores singulares.

O mesmo acontece com a fauna: habitats diversos com muitas possibilidades: Destacam as comunidades de aves ligadas ao meio aquático, salgado ou doce: anatídeos, limícolas, aves marinhas e pássaros.

Dados de interesse

  • Situação
    O Parque Natural encontra-se integralmente no município de Ribeira (Corunha). O SIC abarca também a ilha de Sálvora (Ribeira) e prolonga-se pela franja litoral do município de Porto do Son.
  • Superfície
    996,25 ha. SIC: 9265 ha.
  • Acesso
    Pelo sul, a autoestrada d’O Barbanza que vem de Padrón. Também a estrada AC-550 no lanço Noia-Santa Uxía de Ribeira com desvios para a costa. Dois acessos diretos ao Parque com final em zonas de estacionamento, um para a duna móvel em Olveira e outro para o Centro de Receção n’ O Vilar.
  • Serviços
    • Alojamento: localidades próximas.
    • Comer: Sim.
  • Equipamentos
    • Centro de Receção de Visitantes Casa da Costa (Tel.: 981 878 532).
    • Centro de Interpretação do Ecossistema Litoral da Galiza (CIELGA).
    • Cafetaria-restaurante e área recreativa d’O Vilar.
    • Estacionamentos em Olveira, O Vilar, praia da Ladeira e Vixán.
    • Observatórios de aves.
    • Painéis informativos.
Xunta de Galicia

© 2016 Turismo de Galicia | Todos os direitos reservados
Política de privacidade | Contacto | Accesibilidade

Galicia
Arriba