A Baixa Limia, em geral, e o Parque Natural Serra do Xurés/Gerês, em particular, constituem uma das maiores reservas naturais e uma das zonas mais interessantes da Galiza interior. As ladeiras e os vales da zona recebem manchas de bosques autóctones de grande extensão. Encontram-se inventariadas 151 espécies de vertebrados, entre as quais se destacam o lobo, a lontra, o corço e o gato bravo.

Um dos grandes pontos de interesse da A Baixa Limia é a sua variedade e intensidade paisagística, um conjunto natural quase intocado pelo homem e que permite desfrutar da natureza no seu estado mais puro. 

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Estamos, sem dúvida, perante uma das zonas da Galiza com maior interesse natural, paisagístico, etnográfico e arqueológico.

Falamos dunha serra moi abrupta, senlleira pola súa morfoloxía, podendo gozar constantemente de grandiosas panorámicas, con altitudes superiores ós 1.500 metros, que condicionan unha flora e unha fauna singulares.

O segundo ponto de interesse está na água. Por um lado, pelo omnipresente rio Limia e pelos diversos riachos nascidos das neves invernais e das chuvas, que originam no Parque Natural constantes quedas de água de grande beleza plástica. Por outro, A Baixa Limia alberga três barragens no seu interior: Salas, As Conchas e Lindoso. As águas da barragem proporcionam ao viajante o espaço ideal para a prática de diversas atividades náuticas, combinando o lazer com o desporto.

Percurso

Propomos uma rota de dificuldade baixa, com apoio de um veículo, realizando pequenos percursos a pé, apta para todos os públicos e ideal para fazer em família. A duração prevista é de três dias. A distribuição do tempo é aproximada; cada pessoa pode variá-la segundo as suas preferências.

Acessos à zona (Bande)...

  • Desvio em Xinzo de Limia na estrada A-52, para ligar com a OU-540, Ourense-Portugal, em Bande.
  • Partindo de Ourense pela OU-540 em direção a Celanova e Bande, onde iniciamos a rota turística pela zona de A Baixa Limia. Em finais de 2012 foi inaugurada uma nova autoestrada que parte da A-52 nas proximidades de Ourense, e termina depois de deixar Celanova.
  • De Portugal, acedemos através das fronteiras de Portela do Homem ou pela de A Madalena.

Dia 1

O primeiro dia da nossa proposta começa na localidade de Bande, sede de um pequeno município no qual todos os anos se celebra a "Festa do Peixe", um sinal inequívoco da riqueza dos rios deste ambiente. Neste lugar, também conhecido pelas suas celebrações do Carnaval, com a máscara do "troteiro" como personagem principal, podemos visitar a monumental igreja de San Pedro e a casa reitoral.

O prolongamento do trajeto parte pela estrada OU-540 em direção a Lobios e, passados poucos quilómetros, encontramos a jazida romana Aquis Querquennis e o respetivo centro de interpretação. Nas proximidades, na aldeia de Baños, preparam-se piscinas termais ao lado da barragem das Conchas para gozo dos vizinhos e dos visitantes.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Retomando novamente o caminho pela OU-540, a 10 km de Bande encontramos um desvio à direita que nos leva à igreja visigótica de Santa Comba de Bande. A rota leva-nos primeiro à igreja paroquial e, a poucos metros, encontramos os muros que albergam este importante monumento de A Baixa Limia.

Continuando pela OU-540 em direção a Feira Vella, no lugar de Asperelo surge pelo caminho um singular forno com o teto de pedra; um exemplar único na zona. Depois, tomamos um desvio para A Terrachá, capital da câmara municipal de Entrimo, para visitar a igreja de Santa Maria A Real.

Após a visita, partindo do centro de A Terrachá, seguimos a rota para a aldeia de Queguas. À direita encontramos a área Recreativa de O Pedreiriño, com belas vistas sobre o vale. À esquerda, ergue-se uma estátua a São Rosendo, nobre galego fundador do convento de Celanova. Se continuamos o itinerário, encontramos à esquerda da estrada uma pequena capela em honra ao Santo Cristo.

Chegados a Queguas, podemos visitar a pé a ermida da Ascensão, as palhoças conhecidas como Cortes da Carballeira e o dólmen da Casa da Moura. No centro da localidade, apanhamos a rota de caminhada que parte de A Terrachá. Seguimos um trajeto a pé, de cerca de quatro quilómetros e com uma duração aproximada de duas horas. É muito interessante a primeira parte do caminho, onde poderemos visitar a ermida.

Dia 2

A nossa proposta para o segundo dia parte do lugar de A Feira Vella em direção a Lobios. Passados pouco menos de dois quilómetros, tomamos um desvio à direita com direção a Lobios/Portugal. Depois de cruzar a ponte sobre o rio Lima, continuamos à direita em direção a A Madalena (Portugal) pela estrada OU-540, até um desvio à esquerda que indica "Cemitério de San Salvador de Manín". A subida leva-nos ao lugar de Compostela, onde se encontra a igreja de San Salvador de Manín conhecida como a igreja de Aceredo e que foi totalmente desmontada em duas ocasiões para ser trasladada.

Depois de Compostela, voltamos a Lobios pela estrada OU-540 ou indo por Manín e seguindo por Lobios. Ao fazer o último percurso, podemos ver fantásticas panorâmicas sobre a barragem de Lindoso.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Ao chegar a Lobios podemos visitar a igreja de San Miguel e o lugar de Fondevila, localidade com vários espigueiros que aqui são conhecidos como "canastros". Esta visita ajuda-se a ter uma imagem clara da riqueza de Fondevila noutros tempos.

Em Lobios, os amantes da natureza podem visitar o Centro de Interpretação do Parque Natural Serra do Xurés/Gerês, onde será facilitada toda a informação relacionada com o parque e com os respetivos recursos.

Continuando pela rota, tomamos a estrada OU-540 em direção a Vilameá e Portela do Homem. Ao chegar a Vilameá, encontramo-nos à esquerda com a capela de Santa Luzia, por onde é possível aceder à Rota dos Moinhos de Vilameá e á da capela da Virxe do Xurés. Cruzamos esta localidade e, ao deixar para trás as últimas casas, nasce um caminho que nos leva à ponte Nova e ao primeiro moinho. Continuando pela estrada, subimos à capela da Virxe do Xurés, onde podemos ver os passos da via crucis em três capelas com imagens de Jesus Cristo, a caminho do calvário.

Se retomamos novamente a estrada de Vilameá para Portela do Homem, chegamos aos Banhos de Rio Caldo, um agradável lugar onde se ergue uma estância termal recentemente inaugurada e uma praia fluvial ideal para passar o dia em família. Também existe uma piscina termal e gratuita onde é muito agradável banhar-se, sobretudo nas estações frias, uma vez que a água na zona de saída chega a atingir os 42 graus de temperatura.

Pode-se deixar o carro nas proximidades da estância termal para fazer uma interessante excursão a pé. Este caminho demora uma ou duas horas, dependendo do ponto do percurso a que queremos chegar. A poucos metros do início, encontramos à direita os restos da vila romana de Banhos de Rio Caldo, também conhecida como "mansio Aquis Originis". Retomando o caminho, um trilho ascende à cascata de A Fecha. O primeiro troço é de dificuldade baixa, enquanto o último troço a subir é de dificuldade média/baixa.

Continuando em direção a Portela do Homem, passamos por Torneiros, onde existem vários espigueiros. Depois deste lugar, na ladeira da montanha, é possível ver ao longe a cascata de A Fecha, a mais longa da Galiza, de uma beleza espetacular no inverno devido ao aumento do caudal. Depois de cruzar o rio Caldo, encontramos a área recreativa de Os Miliarios, onde podemos visitar um conjunto de miliários romanos e, na margem esquerda da estrada, a reconstrução de um troço da Via Nova romana que unia Braga com Astorga. Parte do percurso pela calçada romana pode ser feito a pé e é possível unir o caminho com a rota da cascata de A Fecha.

A caminho de Portela do Homem, é possível ver belas paisagens. Ao longo de todo o percurso, existem vários miradouros naturais onde é possível parar para desfrutar deste ambiente natural.

Dia 3

A nossa sugestão para o terceiro dia parte de Lobios em direção à Câmara Municipal de Muíños, para nos dirigirmos para a barragem de Salas.

Antes de chegar a Mugueimes, capital do município de Muíños, ao passar pelo lugar de Cados, podemos subir por um desvio à direita para a ermida da Virxe da Clamadoira que oferece fantásticas vistas sobre a barragem.

A localidade de Mugueimes dispõe de uma magnífica área recreativa e instalações para a prática de atividades lúdicas e desportivas na barragem das Conchas. Também podemos visitar interessantes monumentos como a igreja paroquial, cujo teto do campanário está construído com telhas sobrepostas.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Saindo de Muíños, a nossa rota parte para a paróquia de Maus de Salas. Aí poderá ver um sinal que indica o caminho para os monumentos megalíticos da zona. Ao chegar ao lado da barragem, encontramos à direita a A Casiña da Moura. Cruzamos o rio Salas e ladeamos a barragem em direção a Requiás e Guntumil, onde podemos visitar A Casola del Foxo. O último monumento megalítico, Outeiro de Cavaladre, encontra-se à esquerda, depois de cruzar a barragem.

Dirigimo-nos novamente para Mugueimes e depois partimos para Bande, onde a rota termina.

Arriba