Turgalicia Turismo de Galicia

Xunta de Galicia
Início > Viva estas… experiências > Património oculto > Itinerarios > Acrescentar a "A Minha viagem"

Património oculto

Joias do Românico n’O Ribeiro

Neste itinerário pelas terras do Ribeiro, iremos descobrindo grandes tesouros etnográficos disseminados por uma terra marcada pela água dos rios que a cruzam e pelas cores das suas videiras.

Isto interessa-lhe!

  • Início: O Carballiño
  • Fim: Ribadavia
  • Jornadas: 3
  • Km (aprox): 76 Km
Uma noite no moinho,
uma noite não é nada.
Uma semanita inteira
é que é realmente moagem.
  Cantiga popular

“Se me queres tratar bem, dá-me vinho do Ribeiro, pão de trigo de Ribadavia e moças do Chan de Amoeiro.”
  Dito popular

Percurso – 1º Dia

Damos início a esta primeira jornada seguindo o curso do rio Arenteiro, na sua passagem por terras d’O Carballiño. Ali, aguarda-nos o Parque Etnográfico do Arenteiro formado por moinhos reabilitados e destinados a dar-nos a conhecer os usos tradicionais do rio.

Ampliar
Seguindo o passeio fluvial desde a Ponte Vega, chegaremos ao conjunto etnográfico caminhando por passarelas de madeira ou então internando-nos em trilhos de frondosa vegetação. É um circuito de 5 quilómetros embora, graças às pontes que comunicam ambas as margens, podemos ir mudando de margem do rio e ir modificando o nosso caminho. Para recuperar forças, sentem-se a descansar nalgum dos seus bancos e oiçam como o som hipnótico do correr da água se mistura com o da folhagem das árvores agitadas pelo vento, não é uma sensação agradável?
E, já que estão numa terra de videiras esplendorosas, vão até algum dos estabelecimentos no centro da povoação para saborear com calma um copo de vinho do Ribeiro. Se a fome apertar, acompanhem-na por uma deliciosa carne rixada (carne de vitela preparada com pimentos e batatas), de umas enguias ou de uma dose de polvo á feira (polvo ao estilo feira, cozido e temperado com óleo, pimentão e sal) pelo qual O Carballiño e tão conhecido. Como sobremesa, nada melhor do que as famosas canas de creme, típicas da zona, ou rosquinhas de Ribadavia, de origem mudéjar.
Continuando o nosso caminho para leste, aparece perante nós o município de Boborás, onde nos aguardam pequenas joias arquitetónicas. Faremos a primeira paragem no popular santuário barroco da Virgem de la Saleta, escondido num espesso bosque que emana espiritualidade em cada passo que damos. Sem sair do município, encontramos outra pequena joia, a igreja românica de São Xiao de Astureses. Fundada pelos templários no século XII, foi incluída dois séculos mais tarde à Ordem da São João de Malta. O templo mantém íntegra a sua estrutura românica: uma única nave e uma interessante cabeceira semicircular.
Rastreando as marcas românicas, chegamos à igreja de São Martinho de Cameixa, uma edificação que, apesar de ter sofrido reformas nos séculos XVIII e XIX, ainda conserva esse ar antigo medieval refletido na pedra talhada e moldada.
Depois deste itinerário pela pedra monumental, é a altura de uma pequena caminhada. Mergulhem na natureza frondosa de um bosque autóctone e sigam o caminho empedrado até ao cimo, onde se esconde a igreja de São Mamede de Moldes, construída no século XII sobre um antigo castro e integrada no cemitério. Este santuário sobressai tanto pela sua simplicidade como pelo espaço à volta. Aos seus pés, encontrarão um interessante conjunto etnográfico composto por um pendello de feira (construção à maneira de alpendre que se usava como posto de venda no mercado local) e um antigo campo-santo ao qual as cores do entardecer fazem perder a frieza da sua pedra.
Para terminar esta primeira jornada, dirigimo-nos ao município de Leiro onde encontraremos, escoltado por impressionantes e coloridos socalcos, o mosteiro cisterciense de São Clódio. De origem incerta, este cenóbio foi construído no século XII e esteve a disposição dos frades beneditinos, que o tornaram num núcleo agrícola muito próspero. Foi precisamente através deste convento que a videira foi introduzida na zona. Não deixem de procurar na fachada a cruz de Caravaca, mais conhecida como a “Divina Relíquia”, que era venerada pelos aldeãos por livrar as videiras do granizo.
Partilhe-me em...

A minha viagem

A miña viaxe

Preparando a viagem...

Armazene toda a informação necessária para organizar a sua viagem: museus, monumentos, locais de interesse, alojamentos, restaurantes...

Depois de o fazer, poderá ver o plano do seu itinerário, guardar informação em PDF ou exportar as suas localizações em GPS

Durante a viagem...

Já está a usufruir da Galiza. Aqui poderá consultar o plano da sua rota, guardar informação em PDF ou exportar as suas localizações em GPS. Se dispuser de um telemóvel com GPS, poderá ver a sua localização no mapa.

Despois da viagem

Agora que regressou, poderá anotar o que lhe pareceu aquilo que visitou e, também, marcar aquilo que não pôde ver, para não se esquecer da próxima!

Entrar
Xunta de Galicia Turismo de Galicia

© 2013 Turismo de Galicia | Todos os direitos reservados
Política de privacidade | Contacto | Accesibilidade

Acima