RÍA DE CORME E LAXE

Rias e praias
250

Posição

Coordenadas:
43º 14' 05.5" N - 8º 57' 00.4" W

Descrição

Mais para o Norte, o viajante encontra-se com a Ria de Corme e Laxe, que, como se de um monstro pré-histórico se tratasse, com uma ampla cabeça e uma estreita e retorcida cauda, entra pela terra seguindo o curso inferior do rio Anllóns.
Ao caminhar pelas suas margens podemos admirar outro sector marcado pela verticalidade de uma costa escarpada, rochosa, lavrada sobre granitos com as suas formas caprichosas, que parecem ter sido esculpidas pela mão paciente de algum ser misterioso. Cilindros que se introduzem nos penedos, ocos que parecem pias baptismais de igreja, ninhos como lavrados por um enxame de vespas... aglutinam-se para dar à paisagem uma sensação de mistério nesta parte da Costa da Morte. O entorno do Roncudo, por exemplo, é um bom lugar para o comprovar e, ao mesmo tempo, admirar uma paisagem camponesa a cavalo de verticais falésias.

As vilas de Corme e Laxe, dois importantes portos de pesca, situam-se em ambas as margens da ria. Na primeira, onde sobressaem as actividades pesqueiras, destaca-se a estrutura fechada do seu núcleo e as suas ruas estreitas e empinadas, às que se assomam tanto novos edifícios como velhas casas de pescadores pintadas -como em muitos lugares da costa galega- de vivas cores. Em Laxe, mais comercial, é de destacar a sua igreja do século XIV, de belo traçado, e a Rúa Real, que conserva ainda vestígios do seu passado senhorial.
Ao fundo da ria, na foz do rio Anllóns, para além do Monte Blanco, outro lugar em que o vento e a água criaram uma espectacular paisagem arenosa, encontra-se Ponteceso. Neste lugar nasceu o poeta Pondal, que com grande mestria cantou não só estas terras, mas também compôs a formosa letra do Hino Galego, o Fogar de Breogán.

Última atualização: 04/05/2015
Arriba