Visualizacion: intro
Plantilla: miradoiros

VALES, RIOS E MONTANHAS

De Chantada a Os Peares...A Ribeira Sacra do Miño
O Sil leva a auga,
o Miño leva a fama.
Ditado popular

A Ribeira Sacra del Miño é uma das grandes áreas vinícolas da Galícia. A paisagem do vinhedo combinada com a vegetação exuberante e a presença de um rico legado românico criam um conjunto exuberante. A partir de Chantada, se pode desfrutar de um itinerário que percorre as margens do rio, com um final surpreendente em Os Peares, onde o Sil e o Miño decidem se juntar.

Descarga a ruta
Chantada

Chantada é uma das capitais galegas do vinho, abrigada por rios notáveis, como o Miño ouoa Asma, que concedem magníficas condições para produzir vinhos de qualidade.

A cidade mantém belas ruas e praças aconchegantes em seu centro histórico, com edifícios notáveis como o Casarão dos Lemos, do século XVI (agora Casa da Cultura).

De Chantada à ponte de San Fiz
Fervenza

Das margens do rio Asma, iniciaremos o passeio. Os primeiros quilômetros percorrem as estradas principais, paralelas ao curso do rio, que correm nervosamente até o encontro com o Miño. Uma longa descida leva à área da vinha, abrindo subitamente a vista em direção a uma colina impressionante.

Um desvio leva à ponte de San Fiz, transformando os terraços entre videiras e pequenas vinícolas bem cuidadas que ajudam o trabalho dos produtores.

Da ponte de San Fiz a Belesar

Camino de Belesar o itinerário quase acaricia as águas do Miño, no ponto em que se funde com o Asma. As encostas diferem entre solana e sombria; o vinho precisa do sol e as plantações de vinha estão orientadas para o sul. Na frente, uma notável massa de caducifolhas expande a gama de cores da cena.

Belesar, povoado tradicional, recebe o viajante com suas instalações náuticas. O contraste se deve à remota represa de Os Peares embalsa as águas até este ponto, permitindo a navegação. Parada interessante, Belesar ocupa ambos os bancos e pertence a dois municípios: Chantada e O Saviñao.

De Belesar à igreja de Santa Maria de Nogueira de Miño
Igrexa

As vinhas e os carvalhos continuam até a ponte de Pincelo. Depois de atravessá-lo, uma trilha estreita leva à estrada principal. A paisagem muda às vezes, as primeiras florestas de pinheiros da rota aparecem, mas as florestas mistas são mantidas. Entre algumas castanheiras, se pode ver, no fundo, o curso do Miño.

O campanário da igreja de Santa María de Nogueira de Miño pode ser visto entre os tons verdes da vegetação, erguido com um cipreste clássico. A encantador povoado remonta a paisagens de vinhedos de outras latitudes. Uma transição repentina da floresta atlântica para a vinha de texturas quase mediterrânicas. No verão, o sol e o calor reforçam esse sentimento.

Da igreja de Santa María de Nogueira de Miño a Os Peares

A partir daqui, as vistas do rio serão constantes. O alto nível da estrada atua como um mirante contínuo quando a vegetação exuberante o permite. A rota tranquila supera povoados de interesse com igrejas relevantes, como Santo Estevo de Chouzán ou a antiga igreja de San Xoán da Cova.

Os Peares é um lugar difícil de desvendar; três rios e seis pontes localizados em quatro municípios de duas províncias. Um núcleo antigo que se adapta às encostas íngremes dos rios Miño, Sil e Búbal e se divide entre os municípios de Nogueira de Ramuín e A Peroxa (província de Ourense) e Carballedo e Pantón (província de Lugo). O famoso encontro entre o Miño e o Sil permite que comprovar qual deles carrega água, já que a fama é coisa de ambos.

Você não pode perder

Belesar

Passo histórico no rio Miño, o povoado de Belesar é um ótimo exemplo de um povoado tradicional da Ribeira Sacra. Sua trama e arquitetura, com as casas empilhadas, se integram perfeitamente à paisagem da vinha.

Os Cóbados de Belesar mostram a relevância viária deste enclave. Os restos da antiga estrada romana desenham a irregularidade com curvas torcidas que recebem essa denominação descritiva. O Caminho de Inverno Jacobino, uma alternativa ao Caminho Primitivo nas estações nevadas, passa também por esse ponto.

A ponte não foi construída até 1830, em uma antiga base medieval que havia sido demolida por uma enchente em 1780. Até aquele momento, os barcos eram usados, como em outras partes do rio que não possuíam passagem, o que constituía uma tipologia típica de barcos conhecidos como barcas do Miño, caracterizadas pelo fundo plano e impulsionadas por remo e vara.

A paisagem, o rio, o vinho de qualidade... a confluência de fatores faz de Belesar um ponto de encontro obrigatório nos passeios pela Ribeira Sacra Lucense.

Arriba
Ajude-nos a melhorar!