Visualizacion: intro
Plantilla: miradoiros

VALES, RIOS E MONTANHAS

De A Gudiña a Pradoalbar... a serra Seca e o vale de O Conso
O gaiteiro da Gudiña
e mais o da Martiñá
andan en preito co vento
e non sei quen gañará
Cancioneiro popular

Os arredores de A Gudiña são um território difícil e pouco habitado. A paisagem incrível o convida a viajar por velhos caminhos de entradas e saída para a Galícia. Parte do itinerário proposto coincide com o da Vía de la Plata, a que sobe à serra Seca com o olhar contínuo sobre as montanhas de O Invernadeiro. A parte final, traçando o rio Conso, é um espetáculo de cascatas e riachos até o destino final: o povoado escondido de Pradoalbar.

Descarga a ruta
A Gudiña

A Gudiña é o portão sudeste onde a Galícia se conecta com Sanabria através de A Mezquita e de A Portela da Canda. Esta posição implicava a condição de local de passagem histórica, ponto de trânsito forçado para arrieiros, seitureiros e peregrinos. Essa circunstância fez de A Gudiña, também muito próxima de Portugal, uma cidade dinâmica que recebe pessoas que passam, uma condição que permanece hoje com a moderna infraestrutura viária.

A Gudiña, como cidade antiga, conserva na parte superior sua antiga estrutura de becos articulados pela Rua Maior, eixo central pelo qual transita a Vía de la Plata. Em Praza Maior, ao lado da igreja de San Martiño e San Pedro, a Vía de la Plata é dividida em dois caminhos: a variante sul que leva às terras de Verín e a alternativa norte que vai a Laza, a chamada Caminho antigo ou Verea dos Galegos.

Da Gudiña a Vilariño de Conso

Saindo de A Gudiña, o itinerário atravessa a sierra Seca, com muito vento e isolada, mas com amplas vistas sobre os vales e acompanhada por prados, matagais e alguns castanheiros que dão cor ao outono. A altitude aumenta na busca pelo Alto do Espiño, em torno de 1000 metros. O percurso é pontilhado por vendas, antigas pousadas constituídas hoje em pequenas cidades com origem estratégica a serviço dos arrieiros e "seitureiros" que procuravam a antiga colheita castelhana.

Terminada a Venda do Espiño, a Venda da Teresa nos espera; nesse momento deixamos a Vía de la Plata para seguir em direção a Vilariño de Conso.

Parque natural O Invernadeiro
Conso

O Parque Natural O Invernadeiro se levanta orgulhoso, com suas encostas verdes que contrastam com as rochas dos cumes e com a neve presente nos invernos rigorosos da região. A orografia é configurada através de uma sucessão de ondulações geradas pelos riachos que descem em direção ao río Camba, represados nesta seção pela represa de As Portas.

Chegada em Pradoalbar
Lobishome

O desvio para Pradoalbar dá lugar a um mundo idílico de prados e bosques e apresenta o viajante ao vale do río Conso. Os arroios e riachos descem de O Invernadeiro caindo repentinamente para encontrar o rio formando corgos, como as cascatas da região são chamadas: Gorbias, Val do Cenza, Suafraga... belíssimos à distância.

Edrada, um pequeno povoado pendurado na encosta do río Conso, pode se orgulhar de ter uma das paisagens mais bem preservadas da Galícia, equilíbrio entre valores estéticos e naturais, atravessada por cachoeiras, prados verdes e um denso bosque.

Pradoalbar é o final do passeio, em um vale tranquilo do curso superior do rio, destaca sua igreja e as antigas bordas de pedra de pedra das fazendas que marcam traços irregulares. É a porta de entrada, a parte mais remota de O Invernadeiro.

Você não pode perder

O mirante de As Portas

O mirante de As Portas oferece uma formidável vista panorâmica do Parque Natural do Invernadeiro e do río Camba, represado nesta seção pelo pântano de As Portas (concluído em 1974). Localizado muito perto da parede da barragem, a partir da qual se pode ver a fachada interna, o mirante de As Portas atua como uma verdadeira varanda sobre a água, com uma inclinação íngreme até o rio..

Em frente, emergindo das águas, se podem ver os vários lombos e riachos que caem de O Invernadeiro e que, em alguns casos, excedem 1500 metros de altitude, como o alto de A Pereisada (1501 m).

O Parque natural O Invernadeiro faz parte do Maciço Central Ourensán, um sistema montanhoso que forma uma dorsal que atravessa a província com orientação leste-oeste. As montanhas de Queixa e Fial das Cordas definem um espaço de cerca de 6.000 hectares que foi declarado Parque Natural em 1997.

O Invernadeiro é um espaço montanhoso de paisagens de granito, coberto por matagais com urzes, protagonistas que mudam de cor de acordo com a época do ano e com frequentes nevascas. O acesso é restrito à solicitação de permissão como uma medida de proteção dos seus valores ecológicos únicos, sendo o único Parque Natural desabitado da Galícia, uma vez que não possui nenhuma entidade populacional em sua delimitação.

Do mirante de As Portas, exposto aos ventos, é possível apreciar o silêncio de um lugar parado no momento em que os invernos são longos e os verões quentes.

Arriba
Ajude-nos a melhorar!