A experiência termal em Lobios funde as suas águas quentes e curadoras com o fascinante meio do Parque Natural Baixa Limia-Serra do Xurés. Vilas termais do século XXI e assentamentos do antigo Império Romano estão rodeados por cumes, vales glaciares, albufeiras, quedas de água, erupções de granito em forma de picos e pinos, bosques de ribeira e de montanha que acolhem lobos, corços ou cavalos selvagens. Uma arquitetura natural que convive com a arquitetura humanizada dos megálitos, as calçadas romanas, os espigueiros e os moinhos de água.

Uma experiência para gozar das águas mineromedicinais de Lobios, uma vila termal do século XXI que partilha o território com jazidas arqueológicas do período romano.
Tudo isto num ambiente de espetacular beleza e riqueza naturais que percorremos a pé e a cavalo.

Mais informação...
-Centro de Interpretação AquaeQuerquennae Via Nova. Telefone 988 444 401
-Estância termal de Lobios. Telefone 988 448 440

1º dia

De uma vila romana a uma vila termal

A caminho da vila termal de Lobios, seguimos a estrada OU-540 que atravessa o município de Bande, onde se encontra uma singular mostra do património da comarca Baixa Limia muito ligada ao termalismo, as  jazidas romanas de Aquis Querquennis. Aconselhamos-vos a chegarem aqui logo no início da tarde para visitar esta importante zona. O desvio é pequeno e simples; está assinalado a poucos quilómetros depois da povoação de Bande.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

As escavações do povoado romano de Aquis Querquennis

Trata-se de um grande acampamento militar romano do século I ou II depois de Cristo, onde se impulsionou a construção da Via Nova, importante calçada romana que ligava Astorga a Braga, perto da jazida. Situa-se nas margens do rio Limia, sobre uma língua de terra que come espaço à albufeira d’As Conchas, de onde parece emergir ainda semiafundado quando a água está alta. O pano de fundo é azul e verde, marcado pelas águas e pelo bosque ribeirinho e por uma cadeia de montanhas.

A jazida é muito extensa. Até ao momento, foram escavados mais de dois mil metros de muralha retangular e foi encontrada uma quantidade enorme de elementos de construção no seu interior, tais como fileiras de pilares quadrados, restos de belas colunas e arcos em pé.

Ao lado do acampamento, também apreciaremos o que resta de uma antiga mansio romana, uma espécie de hospedaria para os viajantes que percorriam a Via Nova e que contava com forno de pão, aposentos, cozinha e pátio. Por entre os restos, verão uma quantidade de mananciais dos quais brotam generosas águas termais. Podem aproveitá-las como antigamente fizeram os romanos e como o continuam a fazer os habitantes das povoações próximas, que lhes atribuem propriedades para combater o reumatismo e as doenças da pele.

Às águas termais que
brotam de entre estes restos arqueológicos
atribuem-lhes propriedades curativas
já desde o período romano

Sugerimos-vos que, antes de fazer o percurso pelos restos arqueológicos, entrem no Centro de Interpretação AquaeQuerquennae Via Nova, que está a caminho da jazida. Recria o traçado de uma calçada romana e dos elementos que se encontram no seu caminho, tais como os miliários. Um guia facultar-lhes-á a visita às escavações.

Na vila termal de Lobios
Retomamos a viagem até à vila termal de Lobios, situada na freguesia de Rio Caldo, da qual só distamos meia hora de trajeto. O município, que faz parte do território do Parque Natural da Baixa Limia-Serra do Xurés, dispõe de uma grande variedade de estabelecimentos onde nos alojarmos, tais como casas, apartamentos ou hotéis rurais e um hotel termal de quatro estrelas na própria vila termal.
Depois de instalados, sugerimos-vos que aproveitem o que resta da tarde para obter os benefícios destas águas bicarbonatadas, sódicas e cloretadas que emanam dos mananciais a mais de 70 graus de temperatura. Podemos fazê-lo nas piscinas interiores do hotel termal, que gozam de privilegiadas vistas para as montanhas da Serra do Xurés, conjugando as propriedades mineromedicinais da água com uma massagem ou um tratamento de estética, relaxamento ou saúde. Ou então no interior, onde existe um passeio fluvial e uma ampla área preparada para o banho ao lado do rio Caldo, com uma grande piscina pública e gratuita de águas termais fumegantes que se misturam com as mais frescas do rio.

Para jantar, carne de caça ou de vaca
Aconselhamos-vos a jantarem no alojamento escolhido, mas tendo presentes os produtos desta terra. Destaca a carne de caça ou de vaca cachena, uma raça autóctone, pequena e de grandes cornos. Vive em regime de semiliberdade em rebanhos de extensivo nas planícies perto de Leboreiro, O Quinxo, Santa Eufemia, Xurés e Pisco.

2º Dia

Trilha de caminhadas pelo Parque Natural e descontração na estância termal

Depois do pequeno-almoço, sugerimos-vos que comecem a usufruir das incríveis paisagens, natureza e riqueza etnográfica e arqueológica do Parque Natural, com uma trilha de caminhada, das muitas que aqui existem. Podem pedir que vos preparem um piquenique no restaurante do alojamento.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Uma antiga mansio romana, com aquecimento por baixo do chão
Propomos-vos a chamada Rota da Corga de Fecha, que começa na Estância termal de Lobios e segue o passeio fluvial do rio Caldo, onde estivemos no dia anterior. A uns cem metros, ao lado da Via Nova, assomam os restos arqueológicos da mansio Aquis Originis, onde as escavações atuais nos permitem distinguir o que era uma cozinha e a zona termal. Também tem hipocausto, um sistema de aquecimento que fazia o ar quente circular por canalizações por baixo do chão, usando sobretudo as termas do Império.

Moinhos restaurados, cascatas e poças azulados
Continuamos o percurso pelo vale do rio Caldo até atravessar a Corga da Fecha, onde começa a subida que nos conduzirá a umas lagoas cristalinas que ladeiam toda a Corga. A uns cinquenta metros de aqui podem atravessar a ponte sobre o rio Caldo, à vossa direita, e admirar um moinho restaurado dos vários que existem no trajeto do rio.
 Depois, regressam retomando a trilha antes da ponte e começam uma subida até umas maravilhosas lagoas e cascatas ou corgas. São uma série de quedas de água no troço final do regato de Fecha que vencem um desnível de duzentos metros na busca do ajustado leito do rio Caldo. Em cada queda, as águas aquietam-se formando lagoas onde a água adquire uma bela cor azulada.

Uma pequena cabana usado pelos pastores
Se continuarmos a subida, teremos umas bonitas vistas sobre o vale do Rio Caldo e a Serra de Santa Eufemia. Depois, chega-se a um terreno plano, com ligação a outra das trilhas do Parque, a conhecida como Cabaninha do Curro, com a possibilidade de visitar esta pequena cabana ou chivana, uma curiosa construção usada pelos pastores para se resguardarem.

  Se se percorrer a trilha em pleno esplendor primaveril, além de se ter a vista inundada de belas paisagens, o nosso olfato apreciará a enorme quantidade de aromas que a abundante flora do caminho desprende.

À tarde, de regresso ao alojamento, recomendamos-vos que se ponham nas mãos dos profissionais da Estância termal de Lobios para receber uma massagem que vos reponha da caminhada e que aproveitem a piscina de jatos, as cadeiras termais e o resto dos serviços com os quais as instalações lúdicas-termais contam.

Ao jantar, provaremos queijo biológico de cabra e mel
Ao jantar, poderão saborear a cozinha tradicional galega no restaurante da estância termal ou noutro da zona. Aqui é produzido um delicioso queijo biológico de cabra. Há uns anos atrás, foi reintroduzida uma espécie da família da extinta cabra do Xurés, cujo último refúgio foram estas montanhas, no fim do século XIX. A boa adaptação da espécie atual ao local permitiu valorizar antigos costumes e tradições da zona tais como a produção deste queijo de forma artesã. Para a sobremesa, considerem que, graças à rica e variada flora do Parque Natural, o mel deste território é excelente.

3º Dia

Um passeio a cavalo

Após o pequeno-almoço, há tempo para um último banho ou tratamento termal no hotel termal de Lobios.

Pode haver recursos que não estejam georreferenciados e, portanto, não os está a ver.

Depois, incentivamos-vos a gozar das mesmas vistas panorâmicas que no dia anterior mas de uma perspetiva diferente, ao lombo de um cavalo.
O passeio, de grande interesse paisagístico, pode ser escolhido de uma, duas ou inclusivamente quatro horas de duração, pelos arredores de Lobios, partindo do lugar de San Martiño. Ao longo do percurso, descobrirão locais de grande beleza. Terão a oportunidade de atravessar aldeias que revelam os pormenores da sua arquitetura popular, atravessar pontes e mesmo pequenos leitos de água.

 

Arriba