Ao norte do Golfo Ártabro encontra-se um conjunto de pequenas rias que, devido à sua situação latitudinal, são consideradas como “Altas”. As mais ocidentais, Cedeira, Ortigueira, O Barqueiro e Viveiro são mais amplas e apresentam zonas de costa escarpada e abrupta embora, no seu interior, se abram esplêndidos areais como os de Vilarrube, na Cedeira, Morouzos, na Ortigueira, ou Covas, no Viveiro. As orientais, Foz e Ribadeo, são de menor tamanho e o perfil da sua costa é mais suave.

Os habitantes situados nestas rias estiveram durante séculos isolados de Santiago, centro histórico da Galiza, e das rotas terrestres com o interior da Península. Por isso, abriram-se ao mar, a sua saída natural, e foram sempre portos pesqueiros, em especial de baleias e atum, e núcleos fundamentais no comércio do linho e do cânhamo com os países bálticos. Isto explica o aparecimento de aduanas no Viveiro, no século XVI, e em Ribadeo, e a existência de uma escola de pilotos em Ribadeo, durante o século XIX.

A distância aos centros universitários determinou a criação do Centro de Estudos de Gramática no Viveiro no século XVI, a denominada Escola da Natividade, e em Ribadeo no século XVIII. Vilas muito zelosas dos seus privilégios reais, todas elas, Cedeira, Ortigueira, Viveiro e Ribadeo, têm as suas origens na Idade Média.

Xunta de Galicia

© 2016 Turismo de Galicia | Todos os direitos reservados
Política de privacidade | Contacto | Accesibilidade

Galicia
Arriba